sicnot

Perfil

Economia

Bruxelas garante gás russo na Europa apesar de suspensão para a Ucrânia

A  Comissão Europeia garantiu hoje que o fornecimento de gás à Europa no próximo inverno não está em risco, apesar da rotura das negociações entre a Ucrânia e a Rússia devido a divergências sobre o preço.

(REUTERS)

(REUTERS)

© Sergei Karpukhin / Reuters

"Houve um compromisso claro por parte do lado russo e do lado ucraniano para assegurar um fornecimento suave e sem interrupções para a Europa", disse o comissário europeu para a Energia, Maros Sefkovic, numa conferência de imprensa hoje em Bruxelas, sublinhando que as reservas atuais da Ucrânia podem ser complementadas com compras a outros fornecedores para além do gigante russo Gazprom.

O anúncio da Comissão Europeia segue-se à confirmação, esta manhã, por parte da companhia de gás russa Gazprom da suspensão do fornecimento de gás à Ucrânia, uam consequência natural do anúncio, na terça-feira, por parte da Ucrânia relativamente ao falhanço das negociações para a compra de gás russo devido a divergências sobre o preço.

"A Ucrânia não pagou as suas entregas para o mês de julho. A partir das 10:00 de 1 de julho, as entregas de gás da Gazprom para a Ucrânia foram suspensas. A Gazprom não vai entregar gás à Ucrânia sem um pagamento antecipado, independentemente do preço", disse o presidente da empresa russa, Alexei Miller, num comunicado.

A paragem do fornecimento não deverá, no entanto, ameaçar significativamente o fornecimento de gás russo para a União Europeia, uma vez que a empresa estatal ucraniana Naftogaz prometeu que irá continuar a garantir plenamente o trânsito de gás russo para outros clientes europeus

  • Marcelo de volta a casa após diagnóstico de gastroenterite aguda
    3:37
  • "Todas as decisões que tomei foi sempre a pensar no Sporting primeiro"
    2:08
  • Saransk tanto anseia por Ronaldo que até lhe fizeram um vídeo e uma música
    3:07
  • Portugal quer atrair imigrantes
    1:28

    País

    O Governo prepara-se para regularizar a situação de 30 mil imigrantes ilegais que vivem em Portugal. De acordo com a edição deste sábado do semanário Expresso, o Executivo pretende também abrir portas a 75 mil novos imigrantes por ano.