sicnot

Perfil

Economia

Governo francês adverte para consequências da greve de controladores aéreos

O Governo francês advertiu hoje que a greve de controladores aéreos de quarta e de quinta-feira, mantida pelos sindicatos após o fracasso das negociações, terá "fortes consequências" no tráfego aéreo nacional e europeu.

reuters

Em comunicado divulgado esta noite, após o fim, sem acordo, de uma ronda negocial, o secretário de Estado dos Transportes, Alain Vidalies, lamentou "a aposta pela greve, que terá fortes consequências no transporte aéreo, tanto nacional como europeu, e penalizará os passageiros neste período de início de férias".

Alain Vidalies explicou que as conversações com dois sindicatos minoritários (CGT e UNSA), que tinham ameaçado com uma paralisação para hoje, tinham permitido alcançar um compromisso.

Contudo, com o Sindicato Nacional de Controladores do Tráfego Aéreo (SNCTA, maioritário) e com a Força Operária (FO), que tinham feito outra convocatória para quinta e sexta-feira, "constatou-se, após 25 horas de negociação, a impossibilidade de chegar a um acordo".

Nas mais recentes paralisações organizadas pelo SNCTA, a 08 e 09 de abril, a Direção Geral da Aviação Civil (DGAC) obrigou as companhias aéreas a suspender, a título preventivo, cerca de 40% dos seus voos.

 

DM // ARA

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.