sicnot

Perfil

Economia

Varoufakis prevê solução rápida após o referendo

O ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis, disse-se hoje convencido de que pode ser rapidamente alcançado um acordo após o referendo que se realiza no domingo porque os credores da Grécia "estão prontos" para uma solução.

© Marko Djurica / Reuters

"Na segunda-feira, os credores terão a mensagem do povo grego. Eles estão prontos para um acordo, mas queriam ouvir o povo", disse o ministro à televisão grega ERT.

A Grécia, por seu lado, quer ter na "segunda-feira de manhã uma discussão substancial sobre uma solução viável", ou seja, que contemple as suas propostas sobre uma restruturação da dívida e sobre a retoma da economia, acrescentou.

"Estamos dispostos a aceitar medidas difíceis" se essas condições estiverem presentes, afirmou.

"Na segunda-feira precisamos de encontrar uma solução no quadro do Eurogrupo", insistiu, defendendo mais uma vez o "não" no referendo, porque, sustentou, vai dar peso à posição grega.

Questionado sobre um levantamento das medidas de controlo de capitais e de encerramento dos bancos em vigor desde segunda-feira passada, o ministro afirmou que isso é possível "imediatamente" após um acordo.

Horas antes, no seu blogue pessoal, Varoufakis apresentou seis argumentos para votar "não" no referendo de 05 de julho sobre a proposta dos credores -- Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional - para desbloquear ajuda financeira ao país.

"As negociações chegaram a um impasse porque os credores da Grécia recusaram reduzir a nossa dívida pública insustentável e insistiram que ela deve ser paga 'parametricamente' pelos membros mais fracos da nossa sociedade, os seus filhos e os seus netos", escreveu no primeiro ponto.

Varoufakis prosseguiu afirmando que o FMI, os Estados Unidos e muitos outros governos mundiais, assim como "os economistas mais independentes", acreditam que a dívida deve ser reestruturada.

O próprio Eurogrupo, afirma, admitiu em novembro de 2012 que a dívida devia ser reestruturada, "mas agora recusa comprometer-se" a fazê-lo.

Por outro lado, acrescenta, desde o anúncio do referendo, "a Europa tem enviado sinais de que está pronta para discutir a restruturação da dívida". "Isto mostra que as instituições europeias também votariam 'não' à sua própria oferta 'final'".

Varoufakis repete que a permanência da Grécia na zona euro e na União Europeia "não é negociável" e assegura que os depósitos nos bancos gregos "estão seguros".

"O futuro pede uma Grécia orgulhosa dentro da zona euro e no coração da Europa", conclui o ministro, para afirmar que isso implica os gregos dizerem "não" no domingo porque esse "não" confere ao governo o poder necessário para renegociar a dívida.

 

 

 

 

Lusa

 

  • Sessão solene no Parlamento e desfile popular nas comemorações do 25 de Abril

    País

    Os 43 anos da Revolução dos Cravos são hoje comemorados com a sessão solene no Parlamento e o tradicional desfile popular, tendo o Presidente da República escolhido o 25 de Abril para condecorar, a título póstumo, Francisco Sá Carneiro. A SIC Notícias acompanha esta manhã a sessão solene na Assembleia da República. Veja aqui em direto.

  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.