sicnot

Perfil

Economia

Hollande pede apoio dos franceses para a diversificação da economia angolana

O Presidente da França, François Hollande, apelou hoje, em Luanda, ao apoio da comunidade francesa à diversificação da economia angolana, no arranque de uma visita oficial a Angola.

© STRINGER Italy / Reuters

O chefe de Estado francês dirigia hoje uma mensagem à comunidade francesa em Angola, o primeiro ponto da agenda de trabalho que vai cumprir em Luanda nas próximas 24 horas.

François Hollande disse que a sua visita se enquadra no reforço das relações entre a França e Angola, que em tempos passados "não foram muito fáceis".

Anunciou que os dois países vão lançar um novo programa de cooperação com vista a diversificar a economia angolana, afetada desde 2014 pela crise da queda da cotação do barril de petróleo no mercado internacional.

O estadista francês apontou como setores de intervenção o turismo, a hotelaria, infraestruturas e construção.

A formação profissional é outra área em que a França pretende ajudar Angola a ultrapassar as dificuldades com quadros especializados.

O Presidente francês considerou "um sinal de confiança" a aposta de empresas franceses no mercado angolano, quando a economia angolana atravessa dificuldades devido à baixa do preço do petróleo.

"Sei que não é fácil, faltam condições, para a escolarização das crianças, de segurança pessoal, problemas de aprovisionamento, eu sei tudo isso, devem fazer esse esforço, fazer esse esforço aqui, ao serviço das empresas que representam, de Angola e da França", encorajou François Hollande os seus compatriotas, numa mensagem de cerca de 15 minutos. 

É esperada a assinatura de um acordo para a facilitação de vistos para empresários, desportistas e pessoal da cultura durante a visita de François Hollande a Angola.

 No campo das relações políticas, o chefe de Estado francês frisou o papel importante de Angola para a estabilidade da região, sublinhando o apoio e o papel do país africano nos problemas da República Centro-Africana e República Democrática do Congo.

O Presidente francês frisou que vai abordar com o seu homólogo angolano a conferência climática que a Paris vai acolher em dezembro próximo.

Depois do encontro com a comunidade francesa em Angola, de cerca de 2.000 pessoas, François Hollande mantém ainda hoje um encontro privado com responsáveis de empresas francesas estabelecidas no país.

Na sexta-feira, o Presidente francês inicia a sua agenda de trabalho com um fórum económico Angola-França, seguindo para o memorial Agostinho Neto, o primeiro Presidente de Angola, e por último encontra-se com José Eduardo dos Santos.

O Presidente francês cumpre uma série de visitas, com passagem já pelo Benim, seguindo, depois de Angola, para os Camarões.

 

 

 

Lusa

 

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".