sicnot

Perfil

Economia

Jerónimo de Sousa compara descida do desemprego em Portugal a um "iô-iô"

O líder da CDU, Jerónimo de Sousa, considerou hoje que a recuperação da economia e do emprego anunciada pelo Governo é "pura propaganda", comparando as estatísticas do desemprego a um "iô-iô".  

PAULO NOVAIS

"É a economia e o emprego iô-iô, vai acima e vai abaixo uma décima, mas não sai do mesmo sítio", enfatizou o secretário-geral comunista, numa intervenção em Coimbra para apresentar Manuel Pires Rocha como cabeça-de-lista do distrito às próximas eleições legislativas.

Baseando-se nos dados do desemprego de maio revelados esta semana pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), Jerónimo Sousa referiu que "a recuperação irreversível da economia e do emprego é pura propaganda".

"Um Governo que nos vem dizer que o país 'está a dar volta', mas ainda há dias ficámos a saber pelo INE, não só que nos últimos quatro anos abandonaram o país cerca de meio milhão portugueses, mas que o ano de 2014, o dito ano anunciado como o início da recuperação, bateu todos os recordes de emigração", sublinhou.

Numa intervenção ao ar livre, na Praça 08 de maio, no coração de Coimbra, o dirigente da CDU frisou que "a economia não sai do fundo onde esta política das 'troikas' a colocou e o desemprego não sai dessa brutal e dramática dimensão que ronda o milhão e duzentos mil pessoas sem emprego".

Apelidando a política da coligação PSD/CDS de tragédia, Jerónimo de Sousa precisou que, entre 2009 e 2014, foram destruídos mais de 470 mil postos de trabalho e que o número de portugueses abaixo do limiar da pobreza ultrapassou os 800 mil.

O líder comunista acusou ainda o Governo de, no caso da Grécia, estar "sempre lado dos interesses do grande capital e das grandes potências em todas as situações e circunstâncias e contra os direitos dos trabalhadores e dos povos". 

"Veja-se a inaceitável postura de alinhamento do Governo PDS/CDS, mas também do Presidente da República, no processo de chantagem e ingerência da União Europeia e do FMI sobre a Grécia, colocando-se na primeira linha da frente deste vergonhoso processo de pressão contra o povo grego, visando a sua rendição incondicional". 

Para Jerónimo de Sousa, trata-se de "uma posição condenável que traduz a clara opção que tem conduzido a sua intervenção em Portugal nestes quatro anos de governo, a de colocar sempre os interesses dos especuladores e agiotas à frente dos interesses nacionais e do nosso povo".

Lusa

  • Oceanário de Lisboa dá formação sobre impacto da acumulação de plásticos nos oceanos
    2:37
  • Trump e Netanyahu discutiram "ameaças que o Irão coloca"

    Mundo

    O novo Presidente norte-americano, Donald Trump, e o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, debateram "as ameaças que o Irão coloca" e concordaram que a paz israelo-palestiniana só pode ser "negociada diretamente", anunciou este domingo a Casa Branca.