sicnot

Perfil

Economia

Jerónimo de Sousa compara descida do desemprego em Portugal a um "iô-iô"

O líder da CDU, Jerónimo de Sousa, considerou hoje que a recuperação da economia e do emprego anunciada pelo Governo é "pura propaganda", comparando as estatísticas do desemprego a um "iô-iô".  

PAULO NOVAIS

"É a economia e o emprego iô-iô, vai acima e vai abaixo uma décima, mas não sai do mesmo sítio", enfatizou o secretário-geral comunista, numa intervenção em Coimbra para apresentar Manuel Pires Rocha como cabeça-de-lista do distrito às próximas eleições legislativas.

Baseando-se nos dados do desemprego de maio revelados esta semana pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), Jerónimo Sousa referiu que "a recuperação irreversível da economia e do emprego é pura propaganda".

"Um Governo que nos vem dizer que o país 'está a dar volta', mas ainda há dias ficámos a saber pelo INE, não só que nos últimos quatro anos abandonaram o país cerca de meio milhão portugueses, mas que o ano de 2014, o dito ano anunciado como o início da recuperação, bateu todos os recordes de emigração", sublinhou.

Numa intervenção ao ar livre, na Praça 08 de maio, no coração de Coimbra, o dirigente da CDU frisou que "a economia não sai do fundo onde esta política das 'troikas' a colocou e o desemprego não sai dessa brutal e dramática dimensão que ronda o milhão e duzentos mil pessoas sem emprego".

Apelidando a política da coligação PSD/CDS de tragédia, Jerónimo de Sousa precisou que, entre 2009 e 2014, foram destruídos mais de 470 mil postos de trabalho e que o número de portugueses abaixo do limiar da pobreza ultrapassou os 800 mil.

O líder comunista acusou ainda o Governo de, no caso da Grécia, estar "sempre lado dos interesses do grande capital e das grandes potências em todas as situações e circunstâncias e contra os direitos dos trabalhadores e dos povos". 

"Veja-se a inaceitável postura de alinhamento do Governo PDS/CDS, mas também do Presidente da República, no processo de chantagem e ingerência da União Europeia e do FMI sobre a Grécia, colocando-se na primeira linha da frente deste vergonhoso processo de pressão contra o povo grego, visando a sua rendição incondicional". 

Para Jerónimo de Sousa, trata-se de "uma posição condenável que traduz a clara opção que tem conduzido a sua intervenção em Portugal nestes quatro anos de governo, a de colocar sempre os interesses dos especuladores e agiotas à frente dos interesses nacionais e do nosso povo".

Lusa

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.