sicnot

Perfil

Economia

FMI revê em baixa crescimento económico mundial para 3,3% em 2015

O Fundo Monetário Internacional (FMI) reviu em baixa o crescimento económico global em 2015, estimando agora que a economia mundial melhore 3,3%, menos 0,2 pontos percentuais do que o projetado em abril.

© Nikola Solic / Reuters

Segundo a atualização de julho ao 'World Economic Outlook' (WEO) divulgada hoje, o FMI espera agora que a economia mundial cresça 3,3% este ano, uma melhoria "ligeiramente abaixo da verificada em 2014", que foi de 3,4%, "com uma retoma gradual das economias desenvolvidas e um abrandamento do mercado emergente".

A estimativa hoje divulgada para o conjunto deste ano está 0,2 pontos percentuais abaixo da estimativa de 3,5% do WEO divulgado em abril, uma revisão em baixa que o Fundo justifica com um abrandamento da atividade económica no primeiro trimestre, "principalmente na América do Norte", que observou um "enfraquecimento inesperado".

O Fundo espera agora que as economias desenvolvidas cresçam 2,1% este ano (menos 0,3 pontos percentuais do que o estimado em abril), e, entre elas, que os Estados Unidos cresçam 2,5%, menos 0,6 pontos percentuais face a abril, o que representa a maior revisão em baixa do grupo.

Apesar das incertezas da situação na Grécia, a instituição liderada por Christine Lagarde mantém inalterada a perspetiva para o conjunto da zona euro, antevendo que a economia dos 19 países cresça 1,5% este ano e 1,7% em 2016.

"As projeções de crescimento foram revistas em alta em vários países da zona euro [Itália +0,2 pontos e Espanha +0,6 pontos], mas na Grécia, os desenvolvimentos devem prejudicar a atividade económica mais do que o previsto inicialmente", afirma o FMI, considerando ainda que economia da zona euro continua a recuperar, sobretudo devido à melhoria da procura interna e da inflação.

Apesar de os desenvolvimentos na Grécia "não terem ainda resultado em contágios significativos", a instituição sediada em Washington defende que devem ser aplicadas políticas para "lidar com esses riscos, caso eles se materializem". 

No entanto, escreve o FMI, "permanecem alguns riscos de uma nova crise financeira", sobretudo depois de aumentos recentes nas taxas de juro soberanas em algumas economias do euro.

Outros riscos que podem influenciar estas projeções são um aumento do preço do petróleo e baixa inflação (especialmente nas economias desenvolvidas), a continuação da apreciação do dólar (com impactos nas economias emergentes) ou mais dificuldades na China, bem como contágios das tensões geopolíticas na Ucrânia, Médio Oriente e partes de África. 

Segundo o Fundo, o abrandamento da atividade económica nas economias emergentes reflete uma redução do preço das matérias-primas e condições de financiamento mais apertadas, a situação na China e as preocupações perante tensões geopolíticas. 

O FMI reviu em baixa a estimativa de crescimento para estas economias, antecipando agora que cresçam 4,2% este ano, menos 0,1 pontos do que o estimado em abril.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.