sicnot

Perfil

Economia

Carlos Costa diz que desafio da supervisão é "não cair na ilusão" de que instituições são "virtuosas"

O governador do Banco de Portugal afirmou hoje que o desafio da supervisão "é não cair na ilusão de que as instituições são virtuosas", defendendo o reforço dos mecanismos de auditoria e as sanções aplicadas em casos de fraude.

JO\303\203O RELVAS

"Hoje, o desafio da supervisão é o de não cair na ilusão de que as instituições são virtuosas e assentam em valores e princípios que visam o equilíbrio dos diferentes interesses em presença e, sobretudo, o interesse geral", afirmou hoje Carlos Costa, no discurso de tomada de posse para um segundo mandato à frente do banco central, numa cerimónia no Ministério das Finanças, em Lisboa.

Para o governador, a supervisão "tem hoje pela frente uma insuficiência de valores e quadros institucionais" que obrigam "a ser vigilante", defendendo, por isso, que é necessário "fortalecer os mecanismos de auditoria da qualidade e da integridade da informação e reforçar significativamente as sanções aplicáveis às fraudes e às falhas nestas áreas".

Estas declarações foram proferidas depois de o líder do Banco de Portugal ter sublinhado que "a solidez de cada árvore não garante a sustentabilidade de uma floresta".

Apesar de nunca se referir ao caso Banco Espírito Santo (BES)/Grupo Espírito Santo (GES) em concreto, Carlos Costa lembrou que nos últimos cinco anos foi necessário "limitar os riscos de uma floresta em que as árvores cresceram de forma menos vigiada, desenvolvendo copas que não tinham correspondência com os troncos (os fundos próprios bancos), que deveriam sustentar essas copas contra os ventos mais fortes como os da crise que atravessamos".

"E tivemos ainda troncos enfraquecidos que estavam minados na sua solidez pelo facto de conterem capitais, ou insuficientes ou de menor qualidade", afirmou, considerando que foi possível "evitar o efeito dominó sobre o sistema financeiro que resultou da queda de uma grande instituição".

Para Carlos Costa, "uma grande árvore com copa desproporcionada e ainda por cima com tronco enfraquecido pode determinar a destruição da floresta envolvente", referindo-se a casos de "instituições sobredimensionadas, com fundos próprios que não tinham em conta não só as imparidades dos ativos constantes do balanço, como refletiam práticas desadequadas".

Carlos Costa disse ainda que no seu anterior mandato foi necessário rever "os métodos de vigilância e supervisão", que assentavam em "valores e incentivos que não tinham correspondência com a realidade" e que levou a "uma ilusão mortífera": a da autorregulação. 

"Não há autorregulação sem valores e sem instituições que a suportem", afirmou.

A tomada de posse contou também com a intervenção da ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, que começou por agradecer o "empenho absolutamente decisivo" de Carlos Costa em agosto do ano passado, aquando da resolução do BES.

"A verdade é que os desafios que ainda se colocam ao sistema financeiro não são menores", disse a governante, considerando que a economia portuguesa ainda apresenta elevados níveis de endividamento, público e privado, e admitindo que o aprofundamento da união bancária, a nível europeu, pode trazer resistências.

Assim, a ministra considerou que este novo mandato de Carlos Costa "será tão ou mais exigente do que o primeiro", mas mostrou-se certa de que será cumprido com "a mesma dedicação" dos últimos anos.

Lusa

  • A proposta dos partidos para a redução da dívida
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à UE e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido perdão da dívida como os partidos da esquerda chegaram a defender.

  • Ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo Ministério Público
    1:54
  • Suspeito de atropelamento mortal fala de acidente 
    2:00
  • "Têm um verdadeiro amigo na Casa Branca"

    Mundo

    O Presidente norte-americano reafirmou esta sexta-feira o apoio ao direito de porte de armas no país, sublinhando, numa convenção daquele 'lobby', que "o ataque de oito anos às liberdades consagradas no Artigo 2.º [da Constituição]" terminou.

  • A história de Macron e Brigitte Trogneux, 25 anos mais velha
    1:25

    Eleições França 2017

    A segunda volta das eleições francesas acontece já no próximo dia 7 de maio. Caso Emmanuel Macron seja eleito, o país terá como primeira-dama uma mulher 25 anos mais velha do que o Presidente. Brigitte Trogneux tem 64 anos e Macron 39, conheceram-se no liceu privado de jesuítas, em Amiens. Brigitte era a professora e Macron o aluno. Conheça a história do casal. 

  • Autoridades garantem ter evitado novo ataque terrorista em Londres
    0:59

    Mundo

    A polícia britânica garante que evitou um novo atentado em Londres. Mulher baleada faz parte das oito pessoas que foram detidas numa operação antiterrorista na capital britânica e no sul de Inglaterra. A operação realizou-se após a detenção de um homem com três facas, nas imediações do Parlamento britânico.

  • Presidente da Macedónia convocou reunião de emergência

    Mundo

    O Presidente da Macedónia, Gjorge Ivanov, convocou esta sexta-feira uma reunião de emergência com líderes políticos, após manifestantes, maioritariamente apoiantes da maioria conservadora, invadirem o Parlamento e atacarem deputados da oposição, fazendo 77 feridos.

  • Polícia espanhola divulga imagens de operação anti-jihadista

    Mundo

    A polícia espanhola divulgou esta sexta-feira novas imagens da operação anti-jihadista levada a cabo na terça-feira em Barcelona. Sabe-se agora que dois dos nove suspeitos detidos podem estar relacionados com a célula terrorista de Bruxelas, responsável pelos ataques no Aeroporto de Zaventem e no metro da capital belga.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.