sicnot

Perfil

Economia

Exportações da indústria têxtil e do vestuário aumentaram 2% face a 2014

As exportações da indústria têxtil e do vestuário (ITV) ultrapassaram os dois mil milhões de euros nos primeiros cinco meses deste ano, mais 2% face a igual período de 2014.

© Stefan Wermuth / Reuters

Em comunicado, a Associação Portuguesa do Têxtil e Vestuário (ATP) esclareceu ainda que as exportações de artigos têxteis para o lar, em particular de tapetes e outros revestimentos, cresceram 18% nos primeiros cinco meses deste ano, em relação a idêntico período do ano passado.

A evolução das vendas ao estrangeiro de artigos têxteis para o lar teve, no período em análise, um "forte contributo" para que as exportações globais da indústria têxtil e do vestuário ultrapassassem já os dois mil milhões de euros nos primeiros cinco meses deste ano.

As exportações de filamentos sintéticos ou artificiais, por sua vez, cresceram 13% nos cinco primeiros meses deste ano, face a igual período do ano anterior, enquanto as de vestuário e acessórios em malha aumentaram 7%.

Espanha reforçou a sua hegemonia na tabela dos principais destinos das exportações da ITV relativa aos cinco primeiros meses do ano, com um crescimento de 4,4%.

As exportações para os Estados Unidos cresceram 29% entre janeiro e maio deste ano, quando comparadas com idêntico período do ano passado, tendo as vendas para o Canadá subido 16%.

"Estes dois destinos das exportações da indústria têxtil e do vestuário foram os que mais cresceram em termos absolutos", lê-se no comunicado.

É ainda de assinalar o crescimento verificado ao nível das exportações para a Argentina, que aumentaram 195% nos cinco primeiros meses do ano, em relação ao mesmo período do ano passado.

O saldo da balança comercial desta indústria atingiu os 470 milhões de euros até maio, face aos primeiros cinco meses do ano anterior.

Lusa

  • Partidos exigem explicações sobre transferências para offshores entre 2011 e 2014

    Economia

    O PS junta-se ao PCP, o Bloco de Esquerda e o PSD no pedido para a audição urgente do antigo e o atual secretário de Estado dos Assuntos Fiscais sobre a falta de controlo do Fisco às transferências de dinheiro para paraísos fiscais. Em causa está a transferência de 10 mil milhões de euros para offshores. O CSD é o único partido que ainda não se pronunciou.