sicnot

Perfil

Economia

Sede do Grupo Espírito Santo à venda por 3,5 milhões de euros

A sede do Grupo Espírito Santo foi posta à venda por quase 3,5 milhões de euros. A casa, situada em plena cidade de Lisboa, foi um dos imóveis arrestados pelo Ministério Público há poucas semanas e está também penhorado pelo Tribunal do Luxembrugo, que já ordenou a sua venda.

O relatório final é apresentado na próxima quarta-feira. (Arquivo)

O relatório final é apresentado na próxima quarta-feira. (Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters


Nela foram tomadas as principais decisões do Grupo, ao longo das últimas décadas, e também no epicentro da crise, no ano passado.


A imobilária já retirou entretanto o imóvel da página na Internet, isto porque, o arresto tem de ser levantado antes da casa ser vendida.

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.