sicnot

Perfil

Economia

Portugal coloca 1.785 ME, mais que o previsto mas a taxas de juro superiores

Portugal colocou hoje 1.785 milhões de euros, acima do montante indicativo, em Bilhetes do Tesouro (BT) a seis e a 12 meses às taxas de juro de 0,014% e 0,088%, respetivamente, superiores às dos anteriores leilões comparáveis.

(LUSA/ ARQUIVO)

De acordo com a página da Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) na agência Bloomberg, em BT a seis meses foram colocados 650 milhões de euros a uma taxa média de novo positiva de 0,014%, acima da do anterior leilão comparável, de -0,002%, pela primeira vez desde sempre negativa, de 20 de maio.

A procura foi 2,05 vezes superior ao montante colocado, já que atingiu 1.339 milhões de euros.

Em BT a 12 meses foram colocados 1.135 milhões de euros a uma taxa de juro média de 0,088%, também superior à de 0,021% praticada no anterior leilão comparável de 20 de maio.

Em relação à procura de BT a 12 meses, esta cifrou-se em 2.355 milhões de euros, 2,07 vezes superior ao montante colocado.

Os dois leilões de hoje tinham um montante indicativo global entre 1.250 e os 1.500 milhões de euros e maturidades a seis meses e um ano, mas o montante colocado foi superior.

No anterior leilão de BT a seis meses, que ocorreu a 20 de maio, o Estado conseguiu colocar 300 milhões de euros a uma taxa média negativa, pela primeira vez, de -0,002%, enquanto no leilão anterior de BT com maturidade de um ano, que ocorreu na mesma data, foram colocados 1.200 milhões de euros a uma taxa média de 0,021%.

Esta foi a primeira emissão da Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) do terceiro trimestre, período durante o qual o Estado espera colocar pelo menos 5.000 milhões, entre emissões de curto e de longo prazo.

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.