sicnot

Perfil

Economia

Trabalhadores da CP Carga em greve contra privatização

Os trabalhadores da CP Carga estão hoje em greve contra a privatização da empresa, no mesmo dia em que os ferroviários se manifestam junto à sede da CP, em Lisboa.

(Lusa/Arquivo)

(Lusa/Arquivo)

MIGUEL A. LOPES

"Este vai ser mais um dia de protesto e denúncia relativamente às consequências das privatizações no setor ferroviário", disse à Lusa o coordenador da Federação dos Sindicatos dos Transportes (Fectrans), José Manuel Oliveira.

O secretário-geral da CGTP-IN, Arménio Carlos, participa na concentração de trabalhadores e reformados ferroviários.

Esta concentração e a greve na CP Carga realiza-se na sequência de um conjunto de lutas que a FECTRANS tem promovido "contra a privatização da EMEF e da CP Carga, pela defesa das empresas públicas" e pelo regresso "de todo o sector ferroviário a uma empresa pública que faça a gestão de todos os sectores de actividade do sistema ferroviário".

Na semana passada os trabalhadores da Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário (EMEF) do Entroncamento fizeram uma greve de duas horas em protesto contra a privatização da empresa e nas últimas semanas os ferroviários fizeram várias vigílias junto a várias estações ferroviárias com o mesmo objetivo.

O Governo aprovou a passagem à fase de negociações da proposta do grupo francês Alstom no processo de privatização da EMEF - Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário, deixando pelo caminho a proposta da alemã Bavaria.

O grupo francês Alstom, criador do TGV, é um dos principais construtores de comboios do mundo.

Lusa

  • Roger Moore, o ator que foi 007 e um Santo
    1:26

    Cultura

    Morreu Roger Moore. O ator britânico tinha 89 anos e morreu na Suíça, vítima de cancro. Ficou conhecido pelo mítico papel de James Bond entre os anos 70 e 80, tendo sido o ator que mais tempo se manteve no papel. Em 2003, foi condecorado pela rainha Isabel II e tornou-se Sir Roger Moore.

  • Ucrânia limita utilização do russo na televisão

    Mundo

    O Parlamento da Ucrânia aprovou esta terça-feira uma lei que determina que três quartos dos programas televisivos dos canais nacionais devem ser transmitidos em ucraniano, medida que visa limitar o uso da língua russa naquele país.