sicnot

Perfil

Economia

Aumento dos descontos para a ADSE reverte "na totalidade" a favor dos beneficiários

O Ministério das Finanças esclareceu hoje que o acréscimo de receita em virtude do aumento, para 3,5%, dos descontos para a ADSE reverte na totalidade a favor dos beneficiários e não "a favor dos cofres do Estado". E lembra que é a própria lei que impede o Orçamento do Estado de se apropriar das verbas que a ADSE tenha em excesso.

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

"O acréscimo de receita em virtude do aumento da quota a suportar pelos beneficiários foi consignado na totalidade ao pagamento dos benefícios concedidos pela ADSE aos seus beneficiários nos domínios da promoção da saúde, prevenção da doença, tratamento e reabilitação. Nenhum cêntimo deste aumento de quota reverte a favor dos cofres do Estado", refere a nota.

O esclarecimento do Ministério das Finanças surge na sequência de uma auditoria do Tribunal de Contas (TdC) ao sistema de proteção social dos trabalhadores em funções públicas (ADSE) hoje publicada, segundo a qual o aumento da taxa de desconto da ADSE para 3,5% em 2014 foi "excessivo" e resultou da necessidade do Governo em reduzir o financiamento público, por imposição da troika.

O Ministério das Finanças garante que "com a alteração do Decreto-Lei n.º 118/83, de 25 de fevereiro, efetuada em 2014, na qual se procedeu ao aumento das contribuições para 3,5% [...] e pelos Decretos-Leis n.ºs 29-A/2011, de 01 de março, e 105/2013, de 30 de julho, é consignada ao pagamento dos benefícios concedidos pela ADSE aos seus beneficiários nos domínios da promoção da saúde, prevenção da doença, tratamento e reabilitação".

Nesse sentido, e ao abrigo do artigo 152.º do Orçamento do Estado para 2015, "os saldos apurados na execução orçamental de 2014 da ADSE [...] transitam automaticamente para os respetivos orçamentos de 2015".

"Da leitura conjugada dos dois últimos artigos transcritos resulta claro que os saldos gerados pelo aumento dos benefícios revertem de forma integral para a ADSE e para ser aplicada com os seus beneficiários nos domínios da promoção da saúde, prevenção da doença, tratamento e reabilitação. A lei garante assim a não apropriação pelo Orçamento de Estado das verbas que a ADSE tenha em excesso face à despesa de qualquer ano da sua atividade", explicita o Ministério.

No relatório de auditoria, o TdC refere que "os referidos aumentos resultaram apenas da necessidade, decorrente do Memorando de Entendimento [negociado entre o Governo e a 'troika' - Banco Central Europeu, Fundo Monetário Internacional e Comissão Europeia], de compensar a redução do financiamento público do sistema, satisfazendo, também, problemas de equilíbrio do Orçamento de Estado".

O Tribunal critica também o facto de o Governo ter imposto este aumento sem a elaboração de um estudo sobre a sustentabilidade da ADSE que, caso tivesse sido elaborado, teria concluído que "considerando os custos de 2013 que podem ser financiados com o desconto [...] para 2014, apenas seria necessária uma taxa de desconto aproximada de 2,7% para cobrir integralmente aqueles custos".

O TdC alerta ainda para o facto de este aumento não beneficiar os quotizados, mas o Estado, que "é quem beneficia da utilização desses excedentes, sem qualquer remuneração paga à ADSE".

Com Lusa

  • Passos admite que ADSE ajudou a equilibrar contas mas nega apropriação
    0:59

    Economia

    O primeiro-ministro garante que não houve uma apropriação do dinheiro da ADSE, mas admite que a medida ajudou a equilibrar as contas publicas. É a reação de Passos Coelho à auditoria do Tribunal de Contas, que concluiu que a ADSE deu um lucro de quase 139 milhões de euros no ano passado e que o Governo usou estas verbas excessivas para equilibrar o Orçamento do Estado.

  • Ministro da Saúde garante que "descontos ficam na ADSE"
    1:00

    Economia

    Numa reação ao relatório do Tribunal de Contas, o ministro da Saúde garante que o fundo de descontos da ADSE nunca foi utilizado pelo Governo para outros fins que não o apoio à saúde dos funcionários públicos. Paulo Macedo não exlui a descida da contribuição dos descontos.

  • Tudo o que precisa saber sobre a moção de censura ao Governo

    País

    O Governo minoritário do PS enfrenta na terça-feira a sua primeira moção de censura, a 29.ª em 43 anos de democracia, mas PCP, BE e PEV já anunciaram que vai "chumbar" a iniciativa do CDS-PP. Esta é a sétima moção de censura apresentada pelo CDS-PP e a 29.ª a ser discutida na Assembleia da República. Os três partidos de esquerda que têm apoiado o executivo, PCP, BE e PEV, já anunciaram que votam contra. Com os votos do PS, a moção é chumbada.

  • Encontrado corpo de menina posta de castigo na rua pelo pai

    Mundo

    Sherin Mathews estava desaparecida desde o dia 7 de outubro. Este domingo a polícia do estado norte-americano do Texas encontrou o corpo de uma criança que acreditam ser a menina de três anos, desaparecida depois de o pai a colocar de castigo na rua, durante a madrugada.

    SIC

  • A cadela que desistiu da CIA para ir "perseguir esquilos e coelhos"

    Mundo

    Nem todos os cães têm aptidão para combater o crime. Este é o caso de Lulu, uma cadela que estava a treinar para ser agente da CIA, mas que acabou por entrar na reforma ainda durante os treinos. Através do Twitter, a agência norte-americana anunciou na semana passada que Lulu já não iria treinar mais e que tinha sido adotada pelo agente que a treinava.

    SIC

  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC