sicnot

Perfil

Economia

Ministério do Emprego confirma números avançados por Passos Coelho

O Ministério da Solidariedade e do Emprego confirma os números do desemprego avançados pelo primeiro-ministro esta semana, em entrevista à SIC. É a resposta à notícia do Expresso, que denuncia um "truque estatístico" do Governo para anunciar a criação de 175 mil novos postos de trabalho.

O Instituto de Emprego e Formação Profissional acredita que o número pode vir a crescer tendo em conta a reação, quer por parte das empresas quer dos desempregados nesta fase de lançamento. (Arquivo)

O Instituto de Emprego e Formação Profissional acredita que o número pode vir a crescer tendo em conta a reação, quer por parte das empresas quer dos desempregados nesta fase de lançamento. (Arquivo)

Lusa

O gabinete de Pedro Mota Soares refere em comunicado que "os números estão certos e correctos, não correspondem a nenhuma 'leitura', são dados oficiais e estão publicados pelo Instituto Nacional de Estatística".

O Ministério da Solidariedade e do Emprego acrescenta ainda que Passos Coelho usou os números de abril porque são os últimos publicados. De acordo com o comunicado, os números de maio, menos favoráveis ao Governo e usados nas contas do Expresso, não estão ainda consolidados e "podem ser revistos" até serem publicados pelo INE.

O Expresso assegura que os números sobre emprego e desemprego avançados por Pedro Passos Coelho na entrevista à SIC não são corretos. Em causa está o anúncio do primeiro-ministro sobre a criação de 175 mil novos postos de trabalho, entre janeiro de 2013 e o passado mês de abril, valor que não é líquido nem corresponde à totalidade da legislatura.

O diretor do jornal, Ricardo Costa, diz mesmo que este valor do Governo foi "completamente martelado".

  • Números do Governo sobre desemprego são "completamente martelados"
    0:57

    Opinião

    O Expresso assegura que os números sobre emprego e desemprego avançados por Pedro Passos Coelho em entrevista à SIC na passada terça-feira são falsos. Em causa está o anúncio do primeiro-ministro sobre a criação de 175 mil novos postos de trabalho, entre janeiro de 2013 e o passado mês de abril. O diretor do jornal, Ricardo Costa, diz que os dados do Governo não passam de um truque estatístico.

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.