sicnot

Perfil

Economia

Portas diz que não se falará de "troika" nem de cortes nos próximos quatro anos

O líder nacional do CDS-PP e vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, garantiu hoje, no Funchal, que nos próximos quatro anos "não se falará de 'troika' nem de cortes", realçando que o Governo da República arrumou a casa.

HOMEM DE GOUVEIA

"Nos próximos quatro anos não se falará de 'troika', falar-se-á de recuperação; nos próximos quatro anos não se falará de cortes, falar-se-á de rendimento e da sua progressiva recuperação", disse Paulo Portas durante um jantar comemorativo dos 40 anos do CDS-PP, onde o líder regional, José Manuel Rodrigues, foi apresentado como o cabeça de lista da Madeira às eleições para a Assembleia da República.

O dirigente nacional assegurou que nos próximos quatro anos "falar-se-á mais de oportunidades do que de dificuldades", vincando que o governo de coligação PSD/CDS arrumou a casa, "que estava a arder", e os portugueses "criaram as condições para poderem ter uma vida não baseada na excecionalidade, mas baseada na normalidade".

Paulo Portas apelou aos militantes e simpatizantes para não deixarem o país meter-se em aventuras e considerou que "ninguém no seu perfeito juízo" quer voltar à situação de 2011 depois das próximas eleições nacionais.

"Sejamos claros relativamente ao que está em causa. As pessoas sabem o que aconteceu em 2011, uma crise monumental de défice e de dívida, e as pessoas sabem que os socialistas governaram mal, entregaram o país a um precipício, pediram o resgate, negociaram com a 'troika', assinaram o memorando e causaram a recessão inevitável", declarou.

O líder do CDS sublinhou que, em menos de quarto anos e com o esforço dos portugueses, Portugal conseguiu terminar o programa com a 'troika', não pedir mais dinheiro, não pedir mais tempo, não ter segundo resgate, não ter programa cautelar e ainda antecipar o pagamento ao Fundo Monetário Internacional.

"Temos, agora, crescimento económico, o investimento a disparar, a confiança num bom momento, as exportações a subir e a criação de emprego a melhorar", salientou, revelando que no primeiro semestre deste ano foram criadas mais 12% de empresas do que no ano passado.

Paulo Portas expressou, por outro lado, o seu apoio ao candidato do CDS/Madeira às eleições para Assembleia da República, considerando ser "a voz mais forte e experiente" que a região pode ter em Lisboa e prometeu voltar mais vezes ao arquipélago durante a campanha eleitoral.

José Manuel Rodrigues espera ser um dos seis deputados que a região autónoma elege ao parlamento nacional, onde atualmente o partido é representado por Rui Barreto, e prometeu lutar sempre pelos interesses dos madeirenses, lembrando que por duas vezes os representantes da Madeira votaram contra o Orçamento de Estado.

"Desde já repito e reafirmo aquilo que disse em 2009, quando foi eleito pela primeira vez para o parlamento nacional e depois quando fui reeleito em 2011: o meu compromisso é com os madeirenses. Não é com nenhum candidato a primeiro-ministro, nem é com nenhuma maioria, não é com nenhum governo. O meu compromisso é lutar pelos direitos dos madeirenses junto da República e junto do Estado", realçou.

Lusa

  • A proposta dos partidos para a redução da dívida
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à UE e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido perdão da dívida como os partidos da esquerda chegaram a defender.

  • Ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo Ministério Público
    1:54
  • Suspeito de atropelamento mortal fala de acidente 
    2:00
  • "Têm um verdadeiro amigo na Casa Branca"

    Mundo

    O Presidente norte-americano reafirmou esta sexta-feira o apoio ao direito de porte de armas no país, sublinhando, numa convenção daquele 'lobby', que "o ataque de oito anos às liberdades consagradas no Artigo 2.º [da Constituição]" terminou.

  • A história de Macron e Brigitte Trogneux, 25 anos mais velha
    1:25

    Eleições França 2017

    A segunda volta das eleições francesas acontece já no próximo dia 7 de maio. Caso Emmanuel Macron seja eleito, o país terá como primeira-dama uma mulher 25 anos mais velha do que o Presidente. Brigitte Trogneux tem 64 anos e Macron 39, conheceram-se no liceu privado de jesuítas, em Amiens. Brigitte era a professora e Macron o aluno. Conheça a história do casal. 

  • Autoridades garantem ter evitado novo ataque terrorista em Londres
    0:59

    Mundo

    A polícia britânica garante que evitou um novo atentado em Londres. Mulher baleada faz parte das oito pessoas que foram detidas numa operação antiterrorista na capital britânica e no sul de Inglaterra. A operação realizou-se após a detenção de um homem com três facas, nas imediações do Parlamento britânico.

  • Presidente da Macedónia convocou reunião de emergência

    Mundo

    O Presidente da Macedónia, Gjorge Ivanov, convocou esta sexta-feira uma reunião de emergência com líderes políticos, após manifestantes, maioritariamente apoiantes da maioria conservadora, invadirem o Parlamento e atacarem deputados da oposição, fazendo 77 feridos.

  • Polícia espanhola divulga imagens de operação anti-jihadista

    Mundo

    A polícia espanhola divulgou esta sexta-feira novas imagens da operação anti-jihadista levada a cabo na terça-feira em Barcelona. Sabe-se agora que dois dos nove suspeitos detidos podem estar relacionados com a célula terrorista de Bruxelas, responsável pelos ataques no Aeroporto de Zaventem e no metro da capital belga.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.