sicnot

Perfil

Economia

Portas diz que não se falará de "troika" nem de cortes nos próximos quatro anos

O líder nacional do CDS-PP e vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, garantiu hoje, no Funchal, que nos próximos quatro anos "não se falará de 'troika' nem de cortes", realçando que o Governo da República arrumou a casa.

HOMEM DE GOUVEIA

"Nos próximos quatro anos não se falará de 'troika', falar-se-á de recuperação; nos próximos quatro anos não se falará de cortes, falar-se-á de rendimento e da sua progressiva recuperação", disse Paulo Portas durante um jantar comemorativo dos 40 anos do CDS-PP, onde o líder regional, José Manuel Rodrigues, foi apresentado como o cabeça de lista da Madeira às eleições para a Assembleia da República.

O dirigente nacional assegurou que nos próximos quatro anos "falar-se-á mais de oportunidades do que de dificuldades", vincando que o governo de coligação PSD/CDS arrumou a casa, "que estava a arder", e os portugueses "criaram as condições para poderem ter uma vida não baseada na excecionalidade, mas baseada na normalidade".

Paulo Portas apelou aos militantes e simpatizantes para não deixarem o país meter-se em aventuras e considerou que "ninguém no seu perfeito juízo" quer voltar à situação de 2011 depois das próximas eleições nacionais.

"Sejamos claros relativamente ao que está em causa. As pessoas sabem o que aconteceu em 2011, uma crise monumental de défice e de dívida, e as pessoas sabem que os socialistas governaram mal, entregaram o país a um precipício, pediram o resgate, negociaram com a 'troika', assinaram o memorando e causaram a recessão inevitável", declarou.

O líder do CDS sublinhou que, em menos de quarto anos e com o esforço dos portugueses, Portugal conseguiu terminar o programa com a 'troika', não pedir mais dinheiro, não pedir mais tempo, não ter segundo resgate, não ter programa cautelar e ainda antecipar o pagamento ao Fundo Monetário Internacional.

"Temos, agora, crescimento económico, o investimento a disparar, a confiança num bom momento, as exportações a subir e a criação de emprego a melhorar", salientou, revelando que no primeiro semestre deste ano foram criadas mais 12% de empresas do que no ano passado.

Paulo Portas expressou, por outro lado, o seu apoio ao candidato do CDS/Madeira às eleições para Assembleia da República, considerando ser "a voz mais forte e experiente" que a região pode ter em Lisboa e prometeu voltar mais vezes ao arquipélago durante a campanha eleitoral.

José Manuel Rodrigues espera ser um dos seis deputados que a região autónoma elege ao parlamento nacional, onde atualmente o partido é representado por Rui Barreto, e prometeu lutar sempre pelos interesses dos madeirenses, lembrando que por duas vezes os representantes da Madeira votaram contra o Orçamento de Estado.

"Desde já repito e reafirmo aquilo que disse em 2009, quando foi eleito pela primeira vez para o parlamento nacional e depois quando fui reeleito em 2011: o meu compromisso é com os madeirenses. Não é com nenhum candidato a primeiro-ministro, nem é com nenhuma maioria, não é com nenhum governo. O meu compromisso é lutar pelos direitos dos madeirenses junto da República e junto do Estado", realçou.

Lusa

  • Costa reafirma que entendimentos com BE e PCP são positivos
    0:34
  • Leão de Ouro de Souto de Moura faz "muito bem à alma" dos portugueses
    1:53
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos.

  • Na linha do triunfo
    16:49
  • Chamas do incêndio no Europa Park na Alemanha atingiram os 15 metros de altura
    0:57