sicnot

Perfil

Economia

CGTP acusa Governo de aplicar políticas que agravam as desigualdades

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, acusou hoje o Governo de praticar políticas que agravam as desigualdades levando o país e a população ao empobrecimento, ao mesmo tempo que defende o combate às desigualdades.

REUTERS

"O primeiro-ministro disse que era preciso combater as desigualdades, mas este Governo tem agravado as desigualdades e não se vislumbra que vá aplicar políticas no sentido contrário", disse arménio Carlos à agência Lusa.

O sindicalista alertou para a quebra de rendimentos dos últimos quatro anos, conseguida à custa do bloqueio da contratação coletiva e da estagnação salarial, da alteração da legislação de trabalho, do aumento dos impostos e da redução salarial no setor público.

"Tudo isto contribui para o agravamento das desigualdades e aumenta o empobrecimento da população e do país", disse.

A CGTP divulga hoje em conferência de imprensa uma análise relativa às desigualdades e ao empobrecimento dos portugueses.

"Vamos mostrar que um número significativo de crianças é pobre, assim como os trabalhadores com salários muito baixos, que são empurrados para a pobreza e exclusão", afirmou o líder da Intersindical.

A CGTP vai apresentar um conjunto de propostas para inverter a situação, defendendo, nomeadamente, a criação de emprego de qualidade, a melhoria dos salários e a aposta nas funções sociais do Estado.

Lusa

  • Elemento dos Super Dragões com medida de coação mais gravosa
    1:37

    Desporto

    Os seis arguidos da Operação Jogo Duplo, que investiga crimes de corrupção e viciação de resultados na II Liga de futebol, saíram em liberdade. A medida de coação mais gravosa é para um membro da claque Super Dragões, que terá de pagar uma caução de 5 mil euros.

  • Mais de 120 pessoas com hepatite A
    2:23

    País

    O surto de hepatite A já infetou 128 pessoas, 60 das quais estão internadas em hospitais de Lisboa e Coimbra. A Direção-Geral da saúde recomenda a vacinação apenas aos familiares dos doentes. Apesar de não haver ruptura de stocks, há farmácias que não têm vacinas.

  • Sobreviventes de Mossul relatam mutilações e execuções do Daesh
    1:32