sicnot

Perfil

Economia

CGTP acusa Governo de aplicar políticas que agravam as desigualdades

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, acusou hoje o Governo de praticar políticas que agravam as desigualdades levando o país e a população ao empobrecimento, ao mesmo tempo que defende o combate às desigualdades.

REUTERS

"O primeiro-ministro disse que era preciso combater as desigualdades, mas este Governo tem agravado as desigualdades e não se vislumbra que vá aplicar políticas no sentido contrário", disse arménio Carlos à agência Lusa.

O sindicalista alertou para a quebra de rendimentos dos últimos quatro anos, conseguida à custa do bloqueio da contratação coletiva e da estagnação salarial, da alteração da legislação de trabalho, do aumento dos impostos e da redução salarial no setor público.

"Tudo isto contribui para o agravamento das desigualdades e aumenta o empobrecimento da população e do país", disse.

A CGTP divulga hoje em conferência de imprensa uma análise relativa às desigualdades e ao empobrecimento dos portugueses.

"Vamos mostrar que um número significativo de crianças é pobre, assim como os trabalhadores com salários muito baixos, que são empurrados para a pobreza e exclusão", afirmou o líder da Intersindical.

A CGTP vai apresentar um conjunto de propostas para inverter a situação, defendendo, nomeadamente, a criação de emprego de qualidade, a melhoria dos salários e a aposta nas funções sociais do Estado.

Lusa

  • Dois jovens atropelados mortalmente no concelho de Montemor-o-Velho
    2:20
  • Presidente de "O Sonho" suspeito de peculato e fraude
    2:26

    País

    O presidente das três instituições de solidariedade social de Setúbal - incluindo "O Sonho" -, que na sexta-feira foram alvo de buscas, foi constituído arguido. Florival Cardoso é, por enquanto, o único suspeito de peculato e fraude na obtenção de subsídios para as instituições.

  • Manifestação contra mina de urânio junta milhares em Salamanca
    1:39
  • Assalto a Tancos e roubo de armas da PSP podem estar relacionados
    1:24

    País

    O assalto a Tancos e o roubo de armas da PSP, três recuperadas na semana passada, podem estar relacionados. O semanário Expresso avançou este sábado que há suspeitos de terem participado nos dois assaltos e o grupo, ou parte dele, atua principalmente do Algarve, com possíveis ligações a outras organizações espalhadas pelo país ou até transacionais.

  • Cessar-fogo de 30 dias na Síria
    2:07