sicnot

Perfil

Economia

Citigroup multado em 700 milhões de dólares por enganar titulares de cartões crédito

O Citigroup vai ter de pagar 700 milhões de dólares (640 milhões de euros) a clientes e outros 50 milhões em multas federais, por enganar clientes nos cartões de créditos, anunciaram hoje os reguladores norte-americanos.

© Dado Ruvic / Reuters

Os 700 milhões destinam-se a compensar cerca de nove milhões de detentores de contas, que foram vítimas de 'marketing' desonesto por parte do Citigroup, quando subscreveram alertas de fraude, monitorização de crédito e outros serviços com os seus cartões de crédito.

"Continuamos a descobrir práticas de marketing ilegais associadas aos cartões de crédito que custaram milhões de dólares aos consumidores", afirmou Richard Cordray, diretor da agência de proteção do consumidor financeiro (CFPB, na sigla em Inglês).

"Nos nossos quatro anos, esta é a décima ação que temos contra empresas por enganarem os consumidores. Vamos continuar vigilantes", acrescentou.

Em alguns casos, os vendedores dos serviços, através do designado 'telemarketing', promoviam os produtos sem informar os consumidores dos seus custos ou diziam que tinham um período inicial gratuito, que na realidade era pago, especificou a CFPB.

Em outros casos, o Citigroup faturou os consumidores por serviços não prestados ou escondeu a apresentou mal a estrutura de custos.

A penalização do Citigroup sucede a outras impostas ao JPMorgan Chase, ao Bank of America e a outros bancos, pelos mesmos motivos.

Lusa

  • A menina síria que relata a guerra no Twitter está bem, diz o pai

    Mundo

    Bana Alabed, a menina síria de 7 anos que conta no Twitter a luta pela sobrevivência e os horrores da guerra em Alepo, teve de abandonar a sua casa que foi bombardeada mas está bem, disse hoje o seu pai à Agência France Press. A conta esteve fechada domingo, mas foi entretanto reativada e tem hoje uma nova publicação de Bana.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.