sicnot

Perfil

Economia

Grécia debate novo pacote de reformas

O parlamento grego iniciou hoje o debate da proposta de lei sobre o segundo pacote de reformas acordado com a zona euro, um passo prévio para um terceiro resgate e visto como novo teste ao Governo de Tsipras.

© Yiannis Kourtoglou / Reuters

O texto, que inclui uma reforma do Código Civil e a adoção da diretiva europeia sobre o saneamento de bancos, começou a ser analisado numa reunião conjunta das quatro comissões do parlamento, que deverá prolongar-se durante toda a manhã.

De seguida, a proposta de lei passa ao plenário, cujo debate termina com a votação, que se prevê que irá arrastar-se até à madrugada.

As medidas em debate incluem uma diretiva europeia que garante os depósitos bancários até 100.000 euros, assim como uma reforma no Código Civil destinadas a acelerar os procedimentos legais e a reduzir os seus custos.

A reforma do código civil provocou mal-estar entre os juízes e advogados, que criticaram a falta de informações sobre as mudanças previstas.

A votação é vista como um novo teste ao Governo de Alexis Tsipras, já que o acordo provocou dissidências no seio do seu partido, o esquerdista Syriza.

Na sessão de hoje, o governo de Alexis Tsipras enfrenta uma nova prova de unidade, depois de 39 deputados do Syriza não terem apoiado o acordo com os parceiros europeus numa votação na quarta-feira passada, o que levou uma remodelação do Executivo grego.

A aprovação destas medidas é uma condição para que o governo grego e os seus credores possam iniciar as negociações para um terceiro plano de resgate para a Grécia.

Lusa

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
  • Trump diz que Obamacare vai "colapsar"

    Mundo

    O Presidente norte-americano tentou desvalorizar a derrota política sofrida na sexta-feira no Congresso, ao desistir da revogação da lei de saúde pública do seu antecessor, conhecida como Obamacare, afirmando que esta vai colapsar por si mesma.