sicnot

Perfil

Economia

Portugal mantém 3ª maior dívida pública da UE

Portugal manteve no final do primeiro trimestre do ano a terceira dívida pública mais elevada da União Europeia, em percentagem do PIB (129,6%), apesar de um ligeiro recuo face ao último trimestre de 2014, revela hoje o Eurostat.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Os dados sobre a dívida pública hoje atualizados pelo gabinete oficial de estatísticas da UE mostram que, no final do primeiro trimestre do ano, a dívida governamental em termos de percentagem da riqueza nacional, comparativamente ao trimestre anterior, subiu tanto na zona euro, de 92% para 92,9%, como na UE (de 86,9% para 88,2%).

Em termos homólogos, ou seja, face ao primeiro trimestre de 2014, a dívida também subiu tanto no espaço monetário único (era de 91,9% um ano antes), como no conjunto da União (era de 86,2%).

Portugal continua a ser o terceiro país com uma dívida pública mais elevada, apenas superado por Grécia (168,8% do Produto Interno Bruto) e Itália (135,1%), embora tenha registado recuos de 0,6 pontos percentuais face ao trimestre anterior e 3,6 em termos homólogos (a dívida pública portuguesa atingia os 133,3% do PIB no final do primeiro trimestre de 2014).

Já os mais baixos rácios de dívida pública encontravam-se, no final de março, na Estónia (10,5%), Luxemburgo (21,6%) e Bulgária (29,6%).

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.