sicnot

Perfil

Economia

Viagens, roupas e sapatos no topo das compras online dos portugueses

O que mais se compra no mundo pela internet são estadias em hotéis e bilhetes de avião. A seguir, os portugueses [e os belgas] perdem-se por roupas e sapatos.

Foto Isabel Saldanha para Bonmignon

Já os alemães, os franceses, os espanhóis, os holandeses e os britânicos têm queda para adquirir online bens eletrónicos. Na Suécia e na Itália, em segundo lugar manda-se vir CDs/DVDs/Jogos e livros.

Diz um estudo desenvolvido pela SIBS com a Datamonitor que as compras de Internet dos portugueses subiram nos últimos cinco anos 1,5 mil milhões de euros, a uma média de 375 milhões de euros por ano.

A comprovar os dados está o nascimento de alguns sites que resolveram optar apenas pelo online e esquecer a loja física.

É o caso da Pisamonas, uma sapataria com sede física em Madrid, e que por cá, resolveu abrir portas apenas de forma virtual.

“Optámos por estar apenas online em Portugal (à semelhança de outros países europeus), porque o nosso objectivo é levar a nossa sapataria até à porta de casa de cada cliente, diz Cristina Brilhante, Marketing Manager para Portugal da Pisamonas.

"Trabalhamos para eliminar barreiras, de modo a que a compra de calçado online seja algo tão normal como muitas outras coisas que habitualmente já se compram online", acrescentou.

Esta aposta no [bom] serviço ao consumidor rendeu à marca alguns prémios em 2015 como Best Baby & Kids Shop nos Spain Ecommerce Awards ou o de Best Ecommerce International Expansion da PayPal.

A recém-nascida Bonmignon quis ir mais longe e juntar várias marcas de roupa e calçado para criança num espaço só.

"As mães de hoje são mulher ativas, com pouco tempo, trabalhadoras e estão constantemente no mundo digital, logo é uma forma fácil e rápida de chegar a um maior numero de pessoas", disse à página da SIC Notícias a CEO da plataforma Marta Leitão.

Por outro lado, verificou que surgiu uma proliferação de numero de lojas/marcas de roupa e acessórios de bebés que tornou cada vez mais difícil e doloroso o processo de compra.

"Já ninguém encontra a página do Facebook que fez "Gosto", o site que viu, a página que a amiga sugeriu. Aqui surge a Bonmignon para juntar tudo no mesmo espaço. O Marketplace online resolve a “dor” das mães na procura dos artigos que mais gostam para os seus filhos e cria um canal de venda alternativo para as marcas se destacarem num mercado cada vez mais competitivo."

E ainda "avisa" que a ambição é elevada e aspiram ser uma plataforma de referência a nível europeu.

O mesmo acontece com os livros escolares agora disponíveis em várias livrarias e superfícies com plataforma online. Escolhe-se a região, a escola e o ano do aluno e aguarda-se a disponibilidade e entrega dos mesmos sem ter de se ir atrás da encomenda, como era antigamente. Recebe-se depois calmamente em casa ou levanta-se na loja.

O estudo "online consumer payments analytics" foi desenvolvido pela SIBS, gestora da rede Multibanco, com a Datamonitor e publicado na edição do SIBS Market Report.

Serve como barómetro de mercado e apresenta uma análise à evolução dos pagamentos eletrónicos em Portugal, em comparação com outros mercados europeus.

Só no ano passado as compras na Internet em Portugal foram o dobro do valor registado em 2010, cerca de três mil milhões de euros.

Em 2013,este tipo de compra correspondeu a cerca de 600 euros por agregado familiar português. Em Itália foi quase o mesmo. Já os espanhóis gastam um pouco mais: 900 euros por ano online, mas ainda muito aquém do Reino Unido (4.000 euros), Suécia (2.400 euros) e Holanda (2.200 euros).

No ano passado, a quota do comércio móvel em Portugal era de 8% do total do consumo ''online'', percentagem idêntica ao da Alemanha.

O cartão de crédito é o meio de pagamento usado em 53% das vezes.

A vantagem é óbvia e tem a ver com a gestão de tempo e algumas promoções ocasionais.

Com Lusa

  • Pedrógão e o Governo das culpas dos outros

    Opinião

    Depois das revelações do ‘Expresso’ e do ‘i’, o primeiro-ministro e os ministros saíram à rua com uma estratégia muito bem definida: desmentir a existência de listas secretas e centrar as atenções no Ministério Público. Ao mesmo tempo, nas redes sociais, está em curso (mais) uma campanha contra os jornalistas. Os anónimos, com cartão de militante, que escrevem nessas páginas acusam os jornais das “mais rebuscadas teorias da conspiração”. Nada de novo portanto.

    Bernardo Ferrão

  • "A verdadeira questão são as imagens com que abrimos o Jornal, é um país que está a arder"
    2:52

    Opinião

    A polémica em torno do número de vítimas da tragédia de Pedrógão Grande esteve em análise no Jornal da Noite. Miguel Sousa Tavares diz não compreender "que se faça disto uma questão política" e reitera que o foco deve centrar-se nas imagens de "um país que está a arder". O comentador SIC afirma ainda que "64 mortos num incêndio é um escândalo, um número absurdo".

    Miguel Sousa Tavares

  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • Quase mil bombeiros combatem chamas na Sertã
    1:37

    País

    O incêndio que deflagrou no domingo, na Sertã, concelho de Castelo Branco, ainda não foi extinto. Perto de mil homens combatem as chamas no terreno, apoiados por 10 meios aéreos. O fogo tem frentes em Mação e Proença-a-Nova.

  • Proteção Civil acusada de gestão errática no incêndio de Mação
    1:26

    País

    O comandante dos Bombeiros de Constância e o vice-Presidente da Liga dos Bombeiros acusam a Proteção Civil de desviar meios do fogo de Mação, em Santarém, que eram essenciais para travar o incêndio. As chamas desceram da Sertã e acabaram por queimar uma casa de habitação.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC

  • Bebé Charlie Grad já não vai receber tratamento nos EUA

    Mundo

    A mãe de Charlie Grad disse esta segunda-feira que o bebé poderia ter vivido uma vida normal, caso tivesse começado a receber tratamento cedo. Já o pai admitiu que o filho não iria viver até ao primeiro aniversário. O bebé foi diagnosticado com uma doença rara e um hospital em Inglaterra pediu permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos aceitou e, até hoje, os pais travaram uma batalha na Justiça para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos da América.