sicnot

Perfil

Economia

Voos da SATA dentro dos Açores com mais lugares e carga até fim de agosto

A SATA vai disponibilizar maior capacidade de carga e mais 6.400 lugares nos voos dentro dos Açores entre o final de julho e o final de agosto, anunciou o Governo Regional açoriano.

(LUSA/ ARQUIVO)

(LUSA/ ARQUIVO)

O anúncio foi feito na terça-feira à noite, durante uma reunião do Governo Regional dos Açores com o Conselho de Ilha das Flores, que se realizou em Santa Cruz das Flores.

O presidente do Governo açoriano, Vasco Cordeiro, explicou que a SATA informou a tutela (o executivo regional, único acionista da empresa), da "intenção de aumentar a disponibilidade de lugares" e a capacidade de carga nos voos inter-ilhas, entre o fim deste mês e o final de agosto.

Os mais de 6.400 novos lugares resultam da criação de 52 novos voos e da alteração dos aviões que a empresa tinha previsto usar em 99 ligações. Desta forma, aumenta também a capacidade de carga, no mesmo período, em mais 96 toneladas, ainda segundo Vasco Cordeiro.

Durante a reunião, os conselheiros das Flores haviam pedido precisamente ao executivo açoriano mais lugares e maior capacidade de carga nos voos para a ilha, dados os "enormes constrangimentos" dos últimos meses.

O secretário regional dos Transportes, Vítor Fraga, disse aos conselheiros que a SATA disponibilizará mais perto de 500 lugares para as Flores e que a capacidade de carga aumentará em mais de cinco toneladas, no mesmo período.

Para Vasco Cordeiro, "este é um bom sinal", porque, disse aos jornalistas no final da reunião, revela que o novo modelo de ligações aéreas aos Açores, em vigor desde abril, está "a produzir efeitos em todas as ilhas".

Os conselheiros das Flores alertaram também para o "enorme esforço financeiro inicial" que está ser pedido "às famílias açorianas" quando querem viajar para fora do arquipélago, no âmbito deste novo modelo, apesar de haver direito a reembolsos.

Vítor Fraga lembrou que o modelo em vigor é recente e que está a ser monitorizado, para se avaliar, após uma primeira fase, se há aspetos que podem ser melhorados.

Em relação às questões da saúde levantadas pelos conselheiros, o secretário regional Luís Cabral garantiu que o posto de saúde das Lajes das Flores começará a funcionar, de forma gradual, ao longo das próximas semanas.

Quanto à deslocação de doentes para tratamentos e consultas fora da ilha, afirmou que a legislação publicada recentemente não alterou os critérios e que a tutela está a acompanhar casos de aparentes más interpretações dos novos diplomas, garantindo que continuará a fazê-lo.

Por outro lado, enumerou uma lista de deslocações de especialistas à ilha, já este ano, e outras previstas para os próximos meses, garantindo que tem havido boa resposta, dentro das possibilidades, às necessidades identificadas pelos médicos de família.

Lusa

  • PSD questiona funcionamento da Assembleia da República
    2:39

    Caso CGD

    O PSD e o CDS vão entregar esta sexta-feira no Parlamento o pedido para criar uma nova Comissão de Inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos. Os dois partidos reuniram-se esta quarta-feira para fechar o texto do requerimento. Durante o dia, o PSD considerou que o normal funcionamento da Assembleia da República está em causa, o que levou Ferro Rodrigues a defender-se e a garantir que está a ser imparcial.

  • Marcelo rejeita discussões menores na banca
    0:32

    Economia

    O Presidente da República avisa que não se devem introduzir querelas táticas e menores no sistema financeiro. Num encontro que reuniu publicamente Marcelo e Centeno, o Presidente diz que é preciso defender o interesse nacional.

  • Casos de cancro nos pulmões diminuem
    3:08

    País

    O mapa do cancro em Portugal está a mudar, pela primeira vez os casos de cancro do cólon ultrapassaram os do pulmão. A proibição de fumar em locais públicos tem levado à diminuição dos casos de tumores pulmonares.

  • Túnel descoberto em cadeia brasileira tinha ligação a uma habitação
    0:44

    Mundo

    A polícia brasileira descobriu um túnel que ligava a cadeia de Porto Alegre a uma casa e serviria para libertar prisioneiros do estabelecimento. As autoridades detiveram sete homens e uma mulher no local. A construção permitiria uma fuga massiva que poderia chegar aos 200 mil fugitivos e estima-se que terá custado mais de 300 mil euros. A polícia do Rio Grande do Sul acredita, assim, ter impedido aquela que seria a maior fuga de prisioneiros de sempre no Estado brasileiro.

  • Três dos planetas encontrados podem conter água e vida
    3:28