sicnot

Perfil

Economia

"Irregularidades financeiras" na empresa gestora do metro de Oeiras

Uma auditoria do Tribunal de Contas revelou hoje que a empresa municipal gestora do metro de superfície de Oeiras, SATU, extinta em maio, apresentava "irregularidades financeiras e contabilísticas" e "desconformidades legais".

(SIC/ Arquivo)

(SIC/ Arquivo)

O Sistema Automático de Transportes Urbanos (SATU) de Oeiras foi extinto em maio e o Tribunal de Contas realizou uma auditoria, entre 2008 e 2012, para avaliar os motivos subjacentes a essa decisão, o desempenho da autarquia quanto à preparação e avaliação prévia do projeto e apurar a sustentabilidade financeira da empresa local.

As distorções detetadas, segundo o Tribunal, têm um impacto superior a 20 milhões de euros sobre a situação patrimonial líquida.

De acordo com o documento, a que a Lusa teve acesso, o resultado foi "desfavorável" na sua globalidade, uma vez que "as operações de financiamento das atividades operacionais e de investimento e os ativos tangíveis objeto de auditoria encontram-se afetados por irregularidades financeiras e contabilísticas e por desconformidades legais".

"As demonstrações financeiras da SATU-Oeiras não apresentam, consequentemente, uma imagem verdadeira nem apropriada da situação financeira e não constituem, nesta medida, uma base adequada para efeitos de apuramento da estabilidade orçamental e da dívida pública nos termos do Sistema Europeu de Contas Nacionais e Regionais", lê-se.

Perante as conclusões, o Tribunal de Contas recomenda ao liquidatário do SATU Oeiras "adequar nas demonstrações financeiras, o reconhecimento, apresentação e divulgação das prestações acessórias de capital".

Da mesma forma, recomenda "adequar a classificação dos passivos expressos nas demonstrações financeiras, tendo em conta a exigibilidade de liquidação dos montantes em dívida face às condições contratualmente estabelecidas" e "promover, se necessário, a regularização dos juros pagos no âmbito dos contratos de suprimento, adequando-os à taxa de juro contratualmente estabelecida".

Sugere ainda o "reconhecimento, apresentação e divulgação nas demonstrações financeiras, dos financiamentos com exigibilidade de reembolso".

À Câmara de Oeiras, o Tribunal de Contas recomenda que "na preparação do orçamento municipal e dos documentos de prestação de contas individuais e consolidadas, identifique, avalie e, se necessário, dê adequada expressão contabilística a eventuais obrigações decorrentes da extinção da SATU-Oeiras" em conformidade com a lei.

O presidente da Câmara de Oeiras, Paulo Vistas, e o liquidatário da SATU Oeiras têm agora 180 dias (seis meses) para informar "da sequência dada às recomendações, podendo o Tribunal, se assim o entender, convocar os responsáveis para prestar esclarecimentos".

A SATU Oeiras, da qual eram acionistas a Câmara Municipal e a Teixeira Duarte, decidiram extinguir o metro de superfície precisamente pela sua "inviabilidade financeira".

Na altura da sua extinção, Paulo Vistas assegurou que a Câmara de Oeiras não iria ficar com nenhum encargo e que o prejuízo de 40 milhões de euros seria suportado pelo parceiro privado, estando ainda a ser estudada uma solução para a infraestrutura.

Nos 11 anos de funcionamento, o SATU registou uma média diária de 550 passageiros.

Lusa

  •  Fim do metro de superfície de Oeiras
    3:54

    País

    Onze anos depois, vai ser desativado o monocarril automático que liga Oeiras a Paço d'Arcos. A decisão é do Ministério das Finanças, a Câmara de Oeiras discorda mas respeita. O prejuízo de 40 milhões de euros vai ser pago pelo parceiro privado, a Teixeira Duarte. O SATU é projeto que morre sem ter sido terminado e que foi sempre alvo de muita contestação.

  • Cheias na Grande Lisboa inundaram túneis e estações de Metro
    2:08

    País

    Foram registadas quase 400 ocorrências de inundações esta segunda-feira, a maioria em Lisboa. Nos arredores, Oeiras, Cascais, Sintra e Amadora foram as mais afetadas. Em Lisboa, os túneis do Campo Grande e da Avenida João XXI chegaram mesmo a estar cortados, assim como a Calçada de Carriche. Também várias estações de Metropolitano tiveram de fechar por causa da invasão de água e lama. Foi o caso das estações do Jardim Zoológico e de Chelas.

  • Primeiro-ministro agradece sacrifícios dos portugueses
    0:46

    Economia

    O primeiro-ministro diz que os números do INE em relação ao défice de 2016 são prova de que havia uma alternativa e deixou uma palavra de agradecimento aos portugueses. As declarações de António Costa foram feiras aos jornalistas em Roma, onde se encontra para assinalar no sábado os 60 anos da União Europeia.

  • Jerónimo diz que UE vai continuar a causar constrangimentos a Portugal
    0:35

    Economia

    Esta sexta-feira na inauguração de uma exposição em Almada que denuncia a precariedade dos postos de trabalho, Jerónimo de Sousa falou sobre o défice de 2016. Para o secretário-geral do PCP, apesar do Governo ter ido além do exigido por Bruxelas, a União Europeia vai continuar a impedir Portugal de crescer.

  • Enfermeiros desconvocam greve

    País

    O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) desconvocou esta sexta-feira a greve geral nacional marcada para quinta e sexta-feira da próxima semana, anunciou o presidente da estrutura, justificando com os compromissos assumidos pelo Ministério da Saúde.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Probido fumar na praia? Não-fumadores aplaudem ideia
    1:33

    País

    O Comissário Europeu da Saúde defende uma proibição total do consumo de tabaco no espaço público. Esta e outras medidas foram defendidas, ontem, na Conferência Tabaco e Saúde da Liga Portuguesa Contra o Cancro. 

  • Visitar o Titanic vai custar 97 mil euros por pessoa

    Mundo

    Uma viagem a bordo do Titanic em 1912 era considerada uma viagem de luxo. Mais de 100 anos depois, continua a ser um luxo visitar o Titanic. Em 2018, vai ser possível conhecer os restos daquele que em tempos foi o maior navio do mundo. Contudo, nem todos vão poder fazê-lo, pois a viagem irá custar cerca de 97 mil euros por pessoa.