sicnot

Perfil

Economia

Mais de 1,4 M€ em multas por falta de bilhete no Metro e Carris

A Carris recebeu 1,3 milhões de euros em multas por falta de bilhete nos primeiros cinco meses deste ano e o Metro 119 mil euros no primeiro semestre de 2015, disse hoje a porta-voz das empresas.

(Arquivo)

(Arquivo)

De acordo com os resultados das ações de fiscalização da Carris fornecidos à agência Lusa, 400 mil passageiros por mês utilizam os autocarros, elétricos, ascensores e elevadores da Carris sem título de transporte válido, enquanto o Metro faz uma estimativa de 750 mil validações.

Fonte do Metro explicou que o número de validações é diferente de número de passageiros, uma vez que um passageiro pode efetuar várias validações do mesmo título no espaço de uma hora.

Relativamente às perdas mensais associadas a estas situações, a Carris contabiliza 560 mil euros e o Metro 500 mil, segundo os cálculos daquelas empresas.

Isa Lopes, porta-voz do Metro e da Carris, explicou que esta perda acaba por ser recuperada, pois, "atendendo a que o valor da coima é muito superior ao valor do título de viagem", a multa "cobre o prejuízo associado ao não pagamento do título".

Contudo, "o custo de todas as coimas aplicadas só cobrirá todo o custo da fraude se houver eficiência total na cobrança, o que nem sempre acontece", explicou a porta-voz. Desde 2014, a cobrança das coimas passou a ser feita pela Autoridade Tributária em caso de falta de pagamento voluntário.

Na Carris e no Metro, a falta de título de transporte válido é punida com uma coima num valor mínimo correspondente a 100 vezes o preço do bilhete mais barato e num máximo de 150 vezes o valor do título.

Nos primeiros cinco meses deste ano, e comparativamente a 2014, a Carris apresentou um decréscimo da taxa de fraude na ordem dos 0,7%, ao contrário do Metro, que teve um aumento de 1,6%.

Até ao final do mês de maio, a taxa de fraude na Carris foi de 4,6%, enquanto no período homólogo de 2014 se situou nos 5,3%.

As percentagens apresentadas correspondem a estimativas feitas pela Carris, mas estudos externos que "abrangem uma amostra maior" apontam para uma taxa real de fraude superior, na ordem dos 14%.

No Metro, esta infração no primeiro semestre de 2015 representa 7% do total dos passageiros, enquanto no mesmo período do ano anterior era de 5,4%, um aumento que, para a empresa, "espelhou o contexto económico social vivido".

No circuito do Metro de Lisboa, composto por quatro linhas, são as linhas azul e amarela que apresentam maior percentagem de pessoas a viajar sem bilhete.

Quanto ao horário em que se verifica maior incidência de fraude, a Carris aponta a madrugada, enquanto o Metro revela "maior incidência no período da hora de ponta da tarde, aos dias úteis, bem como à sexta-feira e ao sábado, no período noturno".

Ambos os transportes apresentam maior taxa de fraude durante o Inverno.

Nos últimos anos, para combater a fraude, as empresas têm investido em ações de fiscalização, embora através de métodos diferentes por se tratarem de sistemas distintos, onde as características de validação do bilhete não são iguais.

Enquanto a Carris é um sistema aberto, o Metro é um sistema fechado, "em que a entrada e saída dos passageiros é efetuada através de canais de acesso, cuja transposição obriga a dois momentos de validação do título de viagem".

A Carris, para além das suas ações de fiscalização diárias, realiza dez outras ações de fiscalização ao longo do mês em articulação com a PSP.

Na rede do Metropolitano existe um efetivo de fiscalização com um total de 16 elementos, que desenvolvem "ações de fiscalização nas estações e nas carruagens em dois momentos diários, cobrindo todo o período de exploração ao público", indicou a porta-voz.

A fraude nos transportes públicos é um fenómeno "transversal e que abrange todas as idades, géneros e meios sociais", concluiu Isa Lopes.

A agência Lusa pediu à CP os mesmo dados, mas não obteve resposta.

Lusa

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45
  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.

  • Relação de Portugal com Angola é "insubstituível"
    1:00

    País

    Paulo Portas considera que a relação de Portugal com Angola é insubstituível. Numa entrevista ao Jornal de Negócios, o ex vice-primeiro-ministro defende que o país deve ser profissional no relacionamento político com Luanda.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.