sicnot

Perfil

Economia

Bolsa chinesa fechou hoje a cair 8,48%

A Bolsa chinesa fechou hoje a perder 8,48%, numa "queda a pique" associada aos "magros indicadores económicos" divulgados nos ultimos dias, segundo a agência noticiosa oficial Xinhua.

© STR New / Reuters

O Índice Composite de Xangai fechou nos 3.725 pontos, muito abaixo dos 4.070 alcançados na sessão anterior, e na bolsa de Shenzhen, de menor dimensão, as ações baixaram 7,4%.

Na sexta-feira passada, a bolsa chinesa tinha voltado a cair, interrompendo uma semana inteira em terreno positivo, mas a queda foi de apenas de 1,29%.

O Gabinete Nacional de Estatísticas da China anunciou hoje que, em junho passado, os lucros das grandes empresas industriais do país diminuíram 0,3% em relação a igual período de 2014.

Um outro importante indicador divulgado hoje revela que a atividade industrial apurada este mês é a mais baixa desde abril do ano passado, ampliando os receios que o abrandamento da segunda economia mundial seja maior do que se esperava.

Em 2014, o Produto Interno Bruto chinês cresceu 7,4%, o valor mais baixo dos últimos vinte e quatro anos, e no primeiro semestre de 2015, o crescimento abrandou para 7%.

LUSA

  • Chamas passaram por cima da A23
    1:06

    País

    A A23 esteve cortada ao longo do dia por causa do fumo e das chamas. Em direto para a SIC Notícias, perto das 18h30, os repórteres da SIC presenciaram o momento em que o fogo passou por cima da autoestrada da Beira Interior.

  • "Só numa ditadura é possível tentar esconder o número de vítimas"
    0:51

    Tragédia em Pedrógão Grande

    O primeiro-ministro diz que é "lamentável" a tentativa de aproveitamento político à volta dos incêndios. António Costa esteve esta quarta-feira à tarde na Autoridade Nacional de Proteção Civil e, no final do briefing, disse que é preciso confiança nas instituições do Estado. O primeiro-ministro deixou ainda muitas críticas à oposição no caso da lista de vítimas de Pedrógão Grande.

  • E os 10 mais ricos de Portugal são...

    Economia

    A família Amorim lidera a lista dos mais ricos do país, com uma fortuna avaliada em 3840 milhões de euros. Em segundo lugar surge Alexandre Soares dos Santos com 2532 milhões de euros. A família Guimarães de Mello ainda entra para o top 3, com um valor de 1471 milhões de euros. A lista foi elaborada pela revista EXAME, que conclui que os ricos estão ainda mais ricos, pela quarta vez consecutiva.

    Bárbara Ferreira