sicnot

Perfil

Economia

Cazaquistão passa a integrar a Organização Mundial do Comércio

O Cazaquistão tornou-se esta segunda-feira o 162º membro da Organização Mundial do Comércio (OMC) após cerca de 20 anos de negociações, divulgou a instituição.

O Cazaquistão, uma antiga república soviética na Ásia Central, solicitou a adesão em janeiro de 1996. (Arquivo)

O Cazaquistão, uma antiga república soviética na Ásia Central, solicitou a adesão em janeiro de 1996. (Arquivo)

© Shamil Zhumatov / Reuters

A adesão do país à organização foi aprovada numa reunião do Conselho Geral, órgão executivo da OMC, após o que se seguiu uma cerimónia em que o diretor-geral da OMC, o brasileiro Roberto Azevêdo, e o Presidente do Cazaquistão, Nursultan Nazarbaiev, classificaram o dia como "histórico"

"Hoje é um dia realmente histórico", disse Nazarbaiev na sua intervenção perante o plenário do Conselho Geral.

Na mesma linha, Roberto Azevêdo disse que a data é "histórica" para o Cazaquistão e para a organização porque, destacou, "a meta da OMC em se tornar global fica mais próxima".

O Cazaquistão, uma antiga república soviética na Ásia Central, solicitou a adesão em janeiro de 1996, tendo negociado durante anos a adequação das taxas de importação e exportação e outros impedimentos comerciais aos acordos da OMC.

Criada em 1995 com o objetivo de supervisionar e liberalizar o comércio internacional, a OMC surgiu oficialmente a partir do Acordo de Marraquexe, que substituiu o Acordo Geral de Tarifas e Comércio (GATT), que começou em 1948.

Lusa

  • "Quem não deve não teme"

    Football Leaks

    O futebolista português Cristiano Ronaldo, questionado sobre a sua alegada fuga ao fisco veiculada pela investigação "Football Leaks", disse que "quem não deve não teme", numa reação difundida esta quinta-feira pela rádio espanhola Onda Cero.

  • Cerca de 150 civis doentes retirados de Alepo

    Mundo

    Cerca de 150 civis, a maioria doentes ou deficientes, foram retirados na noite de quarta-feira para quinta-feira de um centro de saúde de Aleppo, na parte mais antiga da cidade tomada pelo exército sírio, anunciou a Cruz Vermelha internacional.