sicnot

Perfil

Economia

Despedimentos na Vodafone Espanha não afetam Portugal

Os despedimentos anunciados hoje pela Vodafone Espanha são fruto "da reorganização que está a acontecer" naquele mercado, disse fonte oficial da Vodafone Portugal, que adianta que esta medida não afeta o mercado português.

© Stefan Wermuth / Reuters

A Vodafone Espanha e Vodafone Ono comunicaram hoje aos representantes dos trabalhadores um despedimento coletivo que pode abranger até um máximo de 1.300 trabalhadores.

O anúncio surge um ano depois da Vodafone ter concluído a compra da operadora Cable Ono por 7.200 milhões de euros e de ter reestruturado a cúpula da direção.

Questionada sobre se existe algum plano de redução de pessoal no mercado português, fonte oficial da Vodafone Portugal disse que "o plano anunciado em Espanha é fruto não só da reorganização que está a acontecer, em virtude da integração de duas grandes empresas a operar no setor das telecomunicações - a Vodafone e a empresa por si adquirida, a ONO, como também do momento económico vivido em Espanha neste setor, a par do forte investimento realizado no desenvolvimento das Redes de Nova Geração".

Estas alterações "são, por isso, específicas da realidade espanhola, não se tratando de uma decisão transversal a todas as operações da Vodafone ou em particular a Portugal", disse.

A Vodafone Portugal, "apesar de naturalmente adaptar a sua estrutura à dimensão do negócio e à realidade do país, tem conseguido compensar a queda de receitas do setor e as consequências dai resultantes em termos de recursos humanos, com o desenvolvimento de serviços especializados prestados ao grupo Vodafone, nomeadamente nas áreas de Machine-to-Machine e ANOC (Atlantic Network Operation Centre), pelo que até tem sido possível fazer crescer ligeiramente o número global de colaboradores, em particular, os de elevada qualificação técnica", concluiu.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.