sicnot

Perfil

Economia

Vodafone Espanha anuncia despedimento coletivo de 1.300 pessoas

A Vodafone Espanha e Vodafone Ono comunicaram aos representantes dos trabalhadores um despedimento coletivo que pode abranger até um máximo de 1.300 trabalhadores, foi anunciado.

(Reuters/Arquivo)

O anúncio surge um ano depois da Vodafone ter concluído a compra da operadora Cable Ono por 7.200 milhões de euros e de ter reestruturado a cúpula da direção.

Estes 1.300 postos de trabalho são representativos de 21,6% do total de trabalhadores das duas empresas (6.000 trabalhadores) e segundo explicaram fontes da operadora, citadas pela agência espanhola EFE, 40% dos despedimentos serão na Vodafone e 60% na Ono.

Para justificar o despedimento coletivo, a Vodafone alega que além de redundâncias geradas pela integração das duas operadoras, houve uma queda das receitas e dos resultados de exploração nos últimos anos.

Nos últimos anos, adianta a operadora, houve fortes investimentos em redes de nova geração, que exigem maiores níveis de eficiência.

"O ajustamento da força de trabalho é um passo necessário dentro do plano de integração e forma parte das iniciativas abordadas para conseguir que a empresa resultante seja eficiente e competitiva", explica ainda a Vodafone.

Tanto a Vodafone como a Ono são "muito sensíveis ao impacto desta medida" e abordarão a negociação "com a forte determinação de alcançar com os representantes sociais o melhor acordo possível tanto para os empregados como para as duas companhias", adianta o comunicado.

Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41