sicnot

Perfil

Economia

BPI cortou 214 postos de trabalho e fechou 19 agências nos últimos 12 meses

O Banco BPI reduziu o quadro de pessoal em 214 colaboradores e encerrou 18 balcões e um centro de empresas no último ano, tendo previsto o fecho de mais 26 agências até ao final de julho, revelou hoje o presidente.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

No final de junho, o banco liderado por Fernando Ulrich contava com um total de 5.952 trabalhadores em Portugal e, já contando com o fecho de balcões previsto até ao final do presente mês, a rede doméstica passa para 610 pontos de contacto com os clientes, entre balcões tradicionais, centros de investimento, lojas habitação e centros de empresas.

Questionado pelos jornalistas durante a apresentação das contas semestrais sobre os planos existentes a este nível até ao final do ano, Ulrich não abriu o jogo.

"Não vou dar dados concretos sobre o que vamos fazer até ao fim do ano. Certo é que com um crescimento [económico] fraco a moderado, taxas [de juro] baixas e muita oferta no setor bancário, o tema dos custos vai ser um tema importante durante muito tempo", afirmou.

Mas deixou uma garantia: "Não vamos fazer revoluções".

Durante a conferência de imprensa que decorreu na sede do banco em Lisboa, Ulrich foi confrontado com uma série de temas, aos quais foi respondendo com mais ou menos detalhe.

Desafiado a comentar como é que vê o BPI daqui a um ano, depois de falhada a oferta pública de aquisição (OPA) lançada pelo o CaixaBank e de admitir que não há avanços num eventual processo de fusão com o BCP, Ulrich disse que "o banco daqui a um ano estará melhor do que hoje".

E reforçou: "Daqui a um ano, vejo o BPI bem, mais sólido e mais saudável do que é hoje".

Já sobre toda e qualquer pergunta sobre a situação de Angola e as negociações que decorrem com o Banco Central Europeu (BCE), nem uma palavra.

"O assunto BCE/BFA [Banco de Fomento Angola] é confidencial. Ponto!", vincou.

Mais tarde, o líder do BPI acabou por dizer que o BFA "é um ativo extraordinário", admitindo que "preferia que não existisse a questão do BCE".

As novas regras de exposição dos bancos europeus a países terceiros exigidas pelo BCE, onde se inclui Angola, vai pesar mais nos rácios dos bancos portugueses com posições em bancos angolanos, como é o caso do BPI, que detém 50,1% do BFA.

Também a exposição creditícia e à dívida soberana de Angola entra nestas contas.

Lusa

  • Primeiro-ministro holandês liga a Costa para explicar palavras de Dijsselbloem
    2:23

    País

    António Costa pediu que Djisselbloem desaparecesse da Presidência do Eurogrupo. Após esta tomada de posição, o primeiro-ministro holandês ligou para Costa na semana passada a dar explicações. Contudo, o primeiro-ministro português não recua e volta a dizer que Dijsselbloem não tem condições para continuar, na sequência das declarações sobre copos e mulheres. Os eurodeputados do Partido Popular Europeu reforçaram também esta terça-feira o pedido de demissão.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45

    País

    Há um surto de hepatite A em Portugal. Desde janeiro, 105 pessoas foram diagnosticadas na região de Lisboa e Vale do Tejo, um número superior aos casos contabilizados em todo o país nos últimos 40 anos. O surto terá começado na Holanda e está a atingir quase toda a Europa. A Direção-Geral de Saúde vai divulgar ainda esta terça-feira as normas de orientação clínica para que os médicos possam lidar da melhor maneira com este surto.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho

  • Incêndio num estádio em Xangai destrói parte da bancada

    Mundo

    O Estádio Hongkou da equipa chinesa Shanghai Shenhua foi atingido esta terça-feira por um incêndio que acabou por danificar parte da bancada e algumas salas no interior da infraestrutura. Para o local, foi enviada uma equipa de bombeiros que conseguiu controlar as chamas.