sicnot

Perfil

Economia

BPI cortou 214 postos de trabalho e fechou 19 agências nos últimos 12 meses

O Banco BPI reduziu o quadro de pessoal em 214 colaboradores e encerrou 18 balcões e um centro de empresas no último ano, tendo previsto o fecho de mais 26 agências até ao final de julho, revelou hoje o presidente.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

No final de junho, o banco liderado por Fernando Ulrich contava com um total de 5.952 trabalhadores em Portugal e, já contando com o fecho de balcões previsto até ao final do presente mês, a rede doméstica passa para 610 pontos de contacto com os clientes, entre balcões tradicionais, centros de investimento, lojas habitação e centros de empresas.

Questionado pelos jornalistas durante a apresentação das contas semestrais sobre os planos existentes a este nível até ao final do ano, Ulrich não abriu o jogo.

"Não vou dar dados concretos sobre o que vamos fazer até ao fim do ano. Certo é que com um crescimento [económico] fraco a moderado, taxas [de juro] baixas e muita oferta no setor bancário, o tema dos custos vai ser um tema importante durante muito tempo", afirmou.

Mas deixou uma garantia: "Não vamos fazer revoluções".

Durante a conferência de imprensa que decorreu na sede do banco em Lisboa, Ulrich foi confrontado com uma série de temas, aos quais foi respondendo com mais ou menos detalhe.

Desafiado a comentar como é que vê o BPI daqui a um ano, depois de falhada a oferta pública de aquisição (OPA) lançada pelo o CaixaBank e de admitir que não há avanços num eventual processo de fusão com o BCP, Ulrich disse que "o banco daqui a um ano estará melhor do que hoje".

E reforçou: "Daqui a um ano, vejo o BPI bem, mais sólido e mais saudável do que é hoje".

Já sobre toda e qualquer pergunta sobre a situação de Angola e as negociações que decorrem com o Banco Central Europeu (BCE), nem uma palavra.

"O assunto BCE/BFA [Banco de Fomento Angola] é confidencial. Ponto!", vincou.

Mais tarde, o líder do BPI acabou por dizer que o BFA "é um ativo extraordinário", admitindo que "preferia que não existisse a questão do BCE".

As novas regras de exposição dos bancos europeus a países terceiros exigidas pelo BCE, onde se inclui Angola, vai pesar mais nos rácios dos bancos portugueses com posições em bancos angolanos, como é o caso do BPI, que detém 50,1% do BFA.

Também a exposição creditícia e à dívida soberana de Angola entra nestas contas.

Lusa

  • Centro comercial em Manchester evacuado

    Mundo

    Um centro comercial foi evacuado esta manhã, no centro de Manchester. Testemunhas dizem ter ouvido um "grande estrondo". O incidente acontece horas depois do ataque na Manchester Arena, no final da atuação da cantora Ariana Grande, no qual morreram pelo menos 22 pessoas. O espaço comercial em Manchester foi entretanto reaberto. A polícia começou a retirar o cordão de segurança, pouco tempo depois de ser dado o alerta. Uma pessoa foi detida.

  • Dois em cada três idosos em Portugal são sedentários

    País

    É a camada da população mais inativa e com comportamentos que revelam um estilo de vida menos saudável, segundo um estudo divulgado hoje, que analisou os dados de mais de 10.600 portugueses representativos da população, entre os quais mais de 2.300 pessoas com mais de 65 anos.

  • "Michel Temer nunca teve vergonha, não tem cara de pessoa de bem"
    3:04

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou no habitual espaço de comentário do Jornal da Noite  da SIC, o escândalo com o Presidente do Brasil, Michael Temer. O comentador diz que já era previsível que Temer fosse apanhado com "o pé na poça" e afirma que o Presidente brasileiro nunca teve qualquer tipo de vergonha. Miguel Sousa Tavares fez ainda referência ao facto de Dilma Rousseff ser, entre todos os políticos brasileiros, a única que não tem processos contra ela.

    Miguel Sousa Tavares

  • Julgamento do caso BPN deverá terminar quarta-feira
    4:38

    Economia

    O acórdão do processo principal do BPN vai ser tornado público esta quarta-feira, depois de quase sete anos de audições. O rosto principal é o de José Oliveira Costa mas há outros 14 arguidos sentados no banco dos réus.