sicnot

Perfil

Economia

Ulrich recusa comentar notícias sobre o BES e Montepio e elogia solidez do BPI

O presidente do Banco BPI, Fernando Ulrich, escusou-se hoje a responder às questões que lhe foram colocadas sobre as notícias que vão saindo sobre os rivais BES (atual Novo Banco) e Montepio, elogiando a solidez do banco que lidera.

Lusa

"O BPI gosta imenso de ter clientes, por isso, se alguém estiver inseguro com essas questões, eu não conheço melhor porto de abrigo do que o BPI", afirmou durante a conferência de imprensa de apresentação das contas semestrais.

"Interrogo-me como é que há pessoas que são capazes de ser clientes de certos bancos", lançou Ulrich.

E realçou: "Viver num mercado em que há situações que não correm bem, torna mais fácil as pessoas verificarem que não somos todos iguais e é uma grande oportunidade poder beneficiar do mercado onde é fácil perceber as distinções".

Segundo o gestor, "as pessoas confiam no BPI e nas pessoas que trabalham no BPI".

Questionado novamente sobre as notícias que têm saído acerca do Montepio nos últimos meses, Ulrich evitou as perguntas.

"Não faço nenhum comentário. Não conheço a situação do Montepio. Não tenho autoridade, nem conhecimento", referiu, dizendo que apenas conhece José Félix Morgado, futuro presidente da Caixa Económica do Montepio, da "vida empresarial".

Lusa

  • Eis os novos heróis de Vila de Aves
    3:03
  • Desportivo das Aves fora da Liga Europa

    Desporto

    O Desportivo das Aves não vai à Liga Europa e o Sporting terá entrada direta na fase de grupos. Apesar da conquista da Taça de Portugal, a equipa avense não se licenciou em tempo útil para poder participar na prova da UEFA, apurou a SIC.

  • E agora, Sporting? Semana de decisões e incertezas
    2:53
  • "Para primeiro dia de pesca da sardinha, não foi mau"
    2:19
  • "Desfiliei-me do PS mas continuo socialista"
    1:29

    País

    José Sócrates garantiu este domingo que não atacará o PS e que continua a ser socialista. O antigo primeiro-ministro participou num almoço de apoio, em Lisboa, com cerca de 100 pessoas, a maioria anónimos.