sicnot

Perfil

Economia

Ulrich recusa comentar notícias sobre o BES e Montepio e elogia solidez do BPI

O presidente do Banco BPI, Fernando Ulrich, escusou-se hoje a responder às questões que lhe foram colocadas sobre as notícias que vão saindo sobre os rivais BES (atual Novo Banco) e Montepio, elogiando a solidez do banco que lidera.

Lusa

"O BPI gosta imenso de ter clientes, por isso, se alguém estiver inseguro com essas questões, eu não conheço melhor porto de abrigo do que o BPI", afirmou durante a conferência de imprensa de apresentação das contas semestrais.

"Interrogo-me como é que há pessoas que são capazes de ser clientes de certos bancos", lançou Ulrich.

E realçou: "Viver num mercado em que há situações que não correm bem, torna mais fácil as pessoas verificarem que não somos todos iguais e é uma grande oportunidade poder beneficiar do mercado onde é fácil perceber as distinções".

Segundo o gestor, "as pessoas confiam no BPI e nas pessoas que trabalham no BPI".

Questionado novamente sobre as notícias que têm saído acerca do Montepio nos últimos meses, Ulrich evitou as perguntas.

"Não faço nenhum comentário. Não conheço a situação do Montepio. Não tenho autoridade, nem conhecimento", referiu, dizendo que apenas conhece José Félix Morgado, futuro presidente da Caixa Económica do Montepio, da "vida empresarial".

Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41