sicnot

Perfil

Economia

Julho foi o pior mês da bolsa chinesa desde 2009

Julho foi o pior mês dos últimos seis anos para a bolsa chinesa. A praça de Xangai perdeu mais de 14 por cento.

O Governo chinês e as autoridades reguladoras tomaram várias medidas extraordinárias, mas entre os investidores há o receio de que possam não ser suficientes para travar mais quedas.

O Governo chinês e as autoridades reguladoras tomaram várias medidas extraordinárias, mas entre os investidores há o receio de que possam não ser suficientes para travar mais quedas.

© China Daily China Daily Infor

Depois de ter arrancado a semana com a maior queda diária desde 2007, a queda foi, esta sexta-feira, mais ligeira, rondando 1%.

Os mercados chineses têm estado no centro das preocupações dos investidores. Depois de uma valorização de 150% no último ano, há receios de que esteja a rebentar uma bolha especulativa.

O Governo chinês e as autoridades reguladoras tomaram várias medidas extraordinárias, mas entre os investidores há o receio de que possam não ser suficientes para travar mais quedas.

  • "Sempre nos disseram que bastava o Aves ganhar para estar na Liga Europa"
    0:34

    Desporto

    O Presidente da SAD do Desportivo das Aves garante que não houve esquecimento ou atraso na inscrição do clube na Liga Europa. Luiz Andrade afirma que sempre lhe disseram que bastava vencer a Taça de Portugal para marcar presença na competição e que ainda não sabe se o clube pode ou não jogar a fase de grupos da competição europeia.

  • "Fui violada por Harvey Weinstein aqui em Cannes"
    1:02

    Cultura

    A cerimónia de encerramento do Festival de Cinema de Cannes ficou ainda marcada pelo discurso de Asia Argento. A atriz italiana que acusou Harvey Weinstein de a ter violado justamente numa das edições do festival de Cannes, e que há mais abusadores à solta.

  • As primeiras imagens das quatro crias da lince Malva
    0:20
  • Exército sírio declara Damasco "totalmente segura"

    Mundo

    O exército sírio proclamou esta segunda-feira a capital Damasco e também os arredores, como locais "totalmente seguros". O anúncio foi feito em clima de festa, depois de os militares terem reconquistado os bairros do sul da cidade, até agora nas mãos do Daesh.