sicnot

Perfil

Economia

Regresso de emigrantes pode prejudicar recuperação em Portugal

A quebra de exportações para Angola e Brasil pode motivar o regresso de inúmeros trabalhadores de empresas portuguesas a Portugal, pressionando a Segurança Social e a recuperação económica, avisa a Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

© Sergio Moraes / Reuters

Num estudo macroeconómico onde aponta vários riscos para a economia portuguesa, a Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) dá destaque à descida dos preços do petróleo e à instabilidade geopolítica que atingiu alguns dos clientes mais recentes de bens e serviços portugueses, levando a uma quebra nas exportações para vários países, que não foram compensadas por novos mercados.

A situação é mais grave nos países produtores de petróleo, como Angola (quarto destino das exportações portuguesas em 2014) e Brasil (11.º destino), em que o impacto na economia portuguesa vai além do decréscimo da procura.

O estudo lembra que, em anos mais recentes, muitas empresas portuguesas concentraram a sua atividade em Angola e Brasil, a fim de explorarem o potencial destas economias e atenuar os efeitos das fracas perspetivas a nível interno, levando muitos portugueses a emigrar para Angola, Moçambique e Brasil.

"Se as perspetivas não se reverterem rapidamente, a situação pode implicar uma degradação ainda maior na rentabilidade das PME e levar a um regresso significativo de pessoas em idade de trabalho", revela o documento, acrescentando que, face ao ritmo lento de criação de emprego em Portugal, este regresso pode "criar tensões adicionais à Segurança Social portuguesa e prejudicar a recuperação de uma economia já de si frágil".

O caso de Angola, devido à impossibilidade de repatriar capital, juntamente com a desvalorização da moeda local (kwanza), representa uma preocupação adicional para as empresas portuguesas "que são altamente dependentes do mercado angolano".

A CMVM sublinha que "para os CEO [presidentes executivos das empresas] portugueses, a falta de procura continua a ser o maior entrave ao desenvolvimento da atividade económica e a perspetiva de diminuição dos lucros parece estar também a dificultar as perspetivas de investimento".

Além disso, a dívida soberana continua a crescer e a elevada dívida externa ainda não teve uma redução significativa, adianta a análise da CMVM.

Uma nota adicional tem a ver com a rentabilidade do setor bancário "que continua a ser uma importante ameaça à estabilidade financeira e económica da Europa", acrescenta o dumento.

"O objetivo de reforçar os capitais da banca e desalavancar os bancos mais endividados, bem como a necessidade de estimular o crédito à economia real provou ser difícil de atingir", constata o estudo, datado de junho e divulgado pela CMVM na quarta-feira.

Lusa

  • Governo prepara pacote de medidas para matas ardidas

    País

    O Governo vai preparar um pacote de medidas para as matas nacionais afetadas pelos incêndios, que passa pela elaboração de um relatório de ocorrências, por um programa de intervenção e pela aplicação da receita da madeira nessas matas.

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • Acabou o estado de graça

    Sá Carneiro dizia que qualquer Governo tem direito a um estado de graça de 100 dias. E que, depois disso, já não tem margem para deitar culpas ao Governo anterior. O discurso de Marcelo, no terreno, junto das vítimas, e não na torre de marfim de Belém, marca o tal "novo ciclo" que o Presidente há muito tinha anunciado, com data marcada: depois das autárquicas.

    Pedro Cruz

  • "O primeiro-ministro falhou em toda a linha"
    4:36

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares não acredita que a ministra da Administração Interna se despediu: "ela foi demitida pela Presidente ontem à noite publicamente". No Jornal da Noite, esta quarta-feira, o comentador da SIC declarou que o primeiro-ministro "falhou em toda a linha" e questionou se António Costa tinha a "coragem política de fazer o que é preciso". Sobre os incêndios, Miguel Sousa Tavares disse ainda que o maior problema não era haver reacendimentos, mas sim "não serem logo apagados e propagarem-se".

    Miguel Sousa Tavares

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51
  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • "O povo exige um novo ciclo"
    1:10

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande exige que o primeiro-ministro faça um pedido de desculpas público às famílias das vítimas dos incêndios. A Presidente da Associação pede ainda a demissão do comando da Autoridade Nacional de Proteção Civil. Após a reunião desta quarta-feira com António Costa, Nádia Piazza anunciou que o Governo assume as mortes de junho passado e chegou a acordo com os familiares das vítimas.

  • Uso de véu que tape o rosto proibido em serviços públicos no Quebec, Canadá
    1:04
  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de 5 anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.