sicnot

Perfil

Economia

Salários na Autoridade Metropolitana dos Transportes do Porto estão em risco

A Área Metropolitana do Porto (AMP) alertou hoje que o pagamento dos salários de agosto dos trabalhadores da Autoridade Metropolitana dos Transportes do Porto (AMTP) está em risco.

(Lusa/Arquivo)

(Lusa/Arquivo)

LUSA

Em reunião do Conselho Metropolitano do Porto (CmP), o líder da comissão executiva do órgão, Lino Ferreira, afirmou que os contactos mantidos durante este mês de julho com o Governo para resolver esta questão não tiveram sucesso e que apenas foi dito pela secretária geral do Orçamento que "é necessário serenar a AMP, porque tudo se vai resolver em tempo".

"Não sei com que dinheiro e não faço ideia nenhuma como é que se vai pagar", frisou Lino Ferreira, explicando que a lei determina que a partir do dia 08 de agosto as competências e os atuais dez funcionários da AMTP passam para a AMP, no âmbito da extinção daquela estrutura.

O responsável explicou ainda, ao abrigo da legislação, os custos são assegurados pelo Orçamento do Estado, mas até ao momento, a apenas oito dias do prazo definido, não houve qualquer transferência de verbas necessárias para o funcionamento da autoridade, nem indicações concretas sobre a própria estrutura.

O presidente do CmP, Hermínio Loureiro (PSD), mostrou-se preocupado com a situação, temendo mesmo que os próximos tempos possam "ser caóticos".

No final da reunião, em declarações aos jornalistas, Hermínio Loureiro alertou o Governo para a necessidade de "procurar otimizar, agilizar os procedimentos para que as pessoas possam receber os seus salários".

"Aquilo que queremos é que a Direção-Geral do Orçamento nos transfira as verbas", disse, reafirmando que a questão da mobilidade na AMP "é uma das principais prioridades" dos 17 autarcas que fizeram o seu trabalho e esperam agora que "que as outras entidades possam atuar da mesma forma".

Os 17 autarcas da AMP criaram em junho um grupo de trabalho para acompanhar a entrada em vigor do Novo Regime Jurídico dos Transportes, que vai fazer transitar para a AMP as funções atualmente exercidas pela AMTP, que será extinta, na gestão dos transportes.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • Cinco unidades fabris em Tondela destruídas pelas chamas
    3:06

    País

    As contas finais dos prejuízos na zona industrial de Tondela ainda não são definitivas, mas há cinco unidades fabris que foram atingidas pelas chamas. O aterro sanitário do Planalto Beirão foi também atingido pelo fogo que atravessou Tondela, onde ardeu o equivalente a 20 anos de resíduos orgânicos.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.