sicnot

Perfil

Economia

UE atribui 500 mil euros a projetos da sociedade civil da Guiné-Bissau

A União Europeia (UE) vai apoiar com cerca de meio milhão de euros um conjunto de organizações da sociedade civil da Guiné-Bissau, anunciou hoje a delegação da UE em Bissau.

© Eric Vidal / Reuters

Uma fatia de cerca de 400 mil euros vai ser entregue a cinco organizações que vão desenvolver projetos em diferentes áreas, da agricultura à justiça.

O dinheiro vai servir para "reforço da boa governação interna das organizações beneficiárias e da sua capacidade de influência política" para acompanhar a produção de legislação e políticas públicas seguidas na Guiné-Bissau, refere a UE em comunicado.

Os projetos financiados vão ter uma duração de seis meses e vão servir para executar e acompanhar as políticas agrárias na região de Gabú (leste do país) e reforçar organizações envolvidas na gestão de recursos naturais e biodiversidade.

Vão também ser apoiados projetos de descentralização sem conflito, divulgação e análise de decisões judiciais e reforço das organizações socioprofissionais dos quadros e técnicos ligados à área da saúde.

Noutra linha de apoio, a UE vai ainda atribuir 81 mil euros para outras 15 associações "com pouca ou nenhuma experiência em gestão de subvenção mas com grande capacidade de mobilização local e forte motivação e aspiração para trabalhar".

Uma terceira subvenção da UE anunciada esta semana para a Guiné-Bissau destina-se a apoiar as televisões comunitárias com cerca de 21 mil euros.

No quadro do projeto prevê-se "o reforço organizacional das quatro televisões comunitárias através da elaboração dos estatutos, registro notarial, adquisição de equipamentos e acompanhamento técnico".

Está igualmente prevista a elaboração e produção de programas sobre educação, pesca, segurança e soberania alimentar, urbanismo e saúde e conservação de recursos naturais.

Lusa

  • As mulheres na clandestinidade durante o Estado Novo
    7:32

    País

    Não se sabe quantas mulheres portuguesas viveram na clandestinidade durante o Estado Novo, mas estiveram sempre lado a lado com os homens que trabalhavam para o Partido Comunista na luta contra a ditadura. Aceitavam serem separadas dos filhos e mudarem de identidade várias vezes ao longo dos anos. A história de algumas destas mulheres estão agora reunidas num livro que acaba de ser lançado.