sicnot

Perfil

Economia

Juros da dívida de Portugal a caírem a dois, cinco e dez anos

Os juros da dívida de Portugal estavam hoje a cair a dois, cinco e dez anos em relação a segunda-feira, alinhados com os da Irlanda, Espanha e Itália.

SIC

Hoje, cerca das 09:00 em Lisboa, os juros da dívida portuguesa a dez anos estavam a avançar para 2,367%, contra 2,399% na segunda-feira e depois de terem subido até aos 3,253% a 15 de junho último, um máximo desde meados de outubro de 2014.

O atual mínimo de sempre é de 1,560% e foi registado a 13 de março passado.

Os juros a cinco anos também estavam a descer, para 1,192%, contra 1,211% na segunda-feira, depois de terem subido a 16 de junho até aos 1,927%, um máximo desde meados de outubro de 2014, e descido para o mínimo de sempre, de 0,749%, a 10 de abril passado.

No mesmo sentido, os juros a dois anos estavam a cair para 0,377%, contra 0,388% na segunda-feira e depois de terem subido até ao máximo desde meados de outubro, de 0,807%, a 08 de julho.

O atual mínimo de sempre dos juros a dois anos, de 0,013%, foi atingido a 13 de abril passado.

Depois de ter iniciado a 09 de março deste ano um programa inédito de compra de dívidas soberanas e privadas, que vai permitir a injeção de 60 mil milhões de euros por mês, até, pelo menos, setembro de 2016, na economia da zona euro, o Banco Central Europeu (BCE) manteve as taxas de juro inalteradas em mínimos, na última reunião de política monetária de 16 de julho.

Portugal abandonou oficialmente a 17 de maio de 2014 o resgate sem qualquer programa cautelar.

O programa de ajustamento pedido por Portugal à 'troika' (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional), no valor de 78 mil milhões de euros, esteve em vigor durante cerca de três anos.

Em sentido contrário, os juros da Grécia estavam a subir a dois e dez anos para, respetivamente, 21,651% e 12,072%.

Juros da dívida soberana em Portugal, Grécia, Irlanda, Itália e Espanha cerca das 09:00:

2 anos... 5 anos... 10 anos

Portugal

04/08..... 0,377......1,192....2,367

03/08..... 0,388......1,211....2,399

Grécia

04/08.....21,651.....n disp...12,072

03/08.....21,646.....n disp...11,941

Irlanda

04/08......-0,050....0,290.....1,160

03/08......-0,046....0,305.....1,184

Itália

04/08......0,084.....0,761.....1,746

03/08......0,093.....0,780.....1,772

Espanha

04/08......0,110......0,896....1,913

03/08......0,116......0,920....1,941

Fonte: Bloomberg Valores de 'bid' (juros exigidos pelos investidores para comprarem dívida) que compara com fecho da última sessão.

Lusa

  • Polémica "Supernanny" em debate hoje na SIC
    2:25
  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • Democratas aceitam compromisso para acabar com shutdown nos EUA

    Mundo

    Os senadores democratas aceitaram esta segunda-feira um acordo orçamental provisório que vai permitir acabar com a paralisação parcial do Governo federal dos Estados Unidos, situação conhecida como shutdown, anunciou o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC