sicnot

Perfil

Economia

Taxas Euribor estáveis a três e nove meses e a cair a seis e 12 meses

As taxas Euribor voltaram a manter-se esta terça-feira inalteradas em mínimos históricos a três e nove meses, mas desceram a seis e 12 meses em relação a segunda-feira.

(Arquivo)

(Arquivo)

Reuters

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, foi hoje fixada em 0,048%, menos 0,001 pontos do que na segunda-feira e atual mínimo, verificado pela primeira vez a 2 de junho passado.

No mesmo sentido, no prazo de doze meses, a Euribor foi fixada em 0,164%, menos 0,002 pontos do que na segunda-feira e depois de ter descido a 02 de junho até 0,158%, o atual mínimo de sempre.

A Euribor a três meses, em terreno negativo desde 21 de abril passado, voltou a manter-se hoje, pelo quarto dia consecutivo, em -0,023%, atual mínimo histórico registado pela primeira vez a 30 de julho.

A nove meses, a Euribor também foi fixada de novo em 0,098%, atual mínimo histórico, registado pela primeira vez a 28 de maio passado.

As Euribor são fixadas pela média das taxas às quais um conjunto de 57 bancos da zona euro está disposto a emprestar dinheiro entre si no mercado interbancário.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.