sicnot

Perfil

Economia

Trabalhadores do INE falam em "aproveitamento político" dos dados do desemprego

A Comissão de Trabalhadores do INE diz que está a ser feito um "aproveitamento político" dos dados sobre desemprego e alerta para "situações de interpretação abusiva" da informação devido ao aproximar de eleições.

"A Comissão de Trabalhadores do Instituto Nacional de Estatística [INE] expressa o seu repúdio pelo aproveitamento político que tem sido feito da informação produzida pelo INE, pondo em causa a credibilidade e independência da instituição e dos seus trabalhadores", lê-se no comunicado enviado às redações, a propósito da polémica em torno dos dados do desemprego e das reações tanto da parte do Governo como dos partidos políticos.

A semana passada, o INE divulgou que a taxa de desemprego foi de 12,4% em junho e reviu significativamente para baixo - em 0,8 pontos percentuais - a taxa estimada para maio. Os valores de maio estão a provocar mal-estar entre o Governo e o INE, e chegaram ao debate político, depois de a primeira estimativa do desemprego de maio ter apontado para um aumento do desemprego, ao passar para 13,2%, tendo afinal sido revisto esse valor para 12,4%, o mesmo que foi apurado para o mês de junho.

Ainda na nota de imprensa, os trabalhadores do INE lembram que o instituto é uma entidade independente e "prementemente escrutinada", tanto a nível nacional como internacional, e recordam que as estatísticas mensais do desemprego são provisórias "produzidas segundo um modelo rigorosamente definido, assente em metodologias consistentes e validadas a nível internacional".

Sobre as estatísticas provisórias, lembram que -- como o nome indica -- estas não contêm "dados estatísticos definitivos", o que pressupõe que haja revisões em momentos posteriores em caso de informação adicional que as torne "mais completas e robustas".

Quanto ao conceito de desemprego, que várias vezes provoca debate público, dizem que a "utilização de um conceito alternativo inviabilizaria a comparabilidade das estatísticas do mercado de trabalho com os restantes Estados Membros", tendo em conta que este é um conceito harmonizado a nível internacional.

"As afirmações que têm sido proferidas por intervenientes de diferentes quadrantes políticos são reveladoras de um profundo desconhecimento técnico e de uma falta de literacia estatística que a CT não pode deixar de lamentar, considerando o grau de responsabilidade de quem as emitiu e os efeitos que, por esse motivo, são gerados na opinião pública", refere no comunicado a Comissão de Trabalhadores do INE, que lamenta que haja "aproveitamento político" do trabalho feito pelo instituto "colocando em causa a credibilidade do INE e a competência técnica e o profissionalismo de quem trabalha na instituição".

Os trabalhadores terminam a nota de imprensa a alertar para "a forte probabilidade de situações de interpretação abusiva da informação se repetirem, considerando em particular o período eleitoral que se aproxima", e garantem que o trabalho de produção estatísticas do INE não é feito "à medida de interesses sectoriais ou partidários, nem condicionado por calendários políticos".

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.