sicnot

Perfil

Economia

ANACOM determina descida do preço da terminação de chamadas de redes móveis

A ANACOM determinou aos operadores móveis que desçam para 0,83 cêntimos por minuto o preço de terminação de chamadas em redes móveis, 35% abaixo do valor que estão a cobrar desde o final de 2012, de 1,27 cêntimos.

(Arquivo)

(Arquivo)

Em comunicado hoje divulgado, a Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) refere que "a descida das tarifas de terminação móvel [valor cobrado entre operadores na realização de chamadas] reveste-se de grande relevância, pois permite corrigir distorções na concorrência que penalizam o mercado, em particular os operadores de menor dimensão".

De acordo com a nota do regulador, a existência de diferenças acentuadas entre os preços praticados dentro e para fora da rede "geram um desequilíbrio de tráfego em desfavor dos operadores de menor dimensão, que entregam muito mais tráfego nas redes dos operadores maiores, tendo por isso maiores custos".

A ANACOM entende que a descida dos preços das terminações permite uma redução do esforço financeiro suportado pelos operadores de menor dimensão, podendo daqui decorrer benefícios para os consumidores.

A descida permite ainda "viabilizar a existência de tarifários com preços iguais independentemente da rede de destino ou que incluem chamadas gratuitas para todas as redes, contribuindo para eliminar esse efeito de rede, já que não penaliza a realização de chamadas para fora da rede do operador a que pertence".

As tarifas de terminação móvel correspondem ao valor que os operadores de telecomunicações pagam entre si quando os seus clientes efetuam chamadas para outra rede.

A decisão da ANACOM de intervir nas tarifas de terminação móvel decorre do facto de os operadores terem poder de mercado significativo e de "não terem nunca promovido descidas voluntárias nestes preços", justifica o regulador, acrescentando que "as descidas apenas acontecem quando são impostas pela ANACOM".

Os preços em vigor, de 1,27 cêntimos por minuto, fazem de Portugal o país com as taxas de terminação móveis mais elevadas no conjunto de 20 países da União Europeia.

Com a descida agora preconizada pela ANACOM, para 0,83 cêntimos, Portugal passa a ser o oitavo país com preços mais baixos.

O projeto de decisão foi notificado à Comissão Europeia e os novos preços entrarão em vigor dez dias úteis após a aprovação desta decisão e serão atualizados em 2016 e em 2017.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.