sicnot

Perfil

Economia

Rússia destrói alimentos europeus e norte-americanos sob embargo

A Rússia começou hoje a destruir produtos alimentares europeus e norte-americanos sob embargo, em conformidade com um decreto do Kremlin.

Agricultores franceses distribuem produtos grátis em protesto contra embargo russo.

Agricultores franceses distribuem produtos grátis em protesto contra embargo russo.

© Philippe Wojazer / Reuters

Há cerca de um ano que a Rússia proíbe a importação da maioria dos produtos alimentares dos países que impuseram sanções pelo papel de Moscovo na guerra na Ucrânia, uma decisão que afetou particularmente o setor agrícola europeu.

Estes produtos, que eram até aqui simplesmente devolvidos aos países de origem pelas alfândegas, vão passar a ser destruídos no local pelas autoridades, quer sejam apreendidos na fronteira ou em lojas.

A agência de saúde pública russa Rosselkhoznadzor anunciou esta manhã uma primeira apreensão de 73 toneladas de peixes e nectarinas na fronteira com a Bielorússia, que transitavam com um certificado turco falso e que serão destruídas.

Na terça-feira, as autoridades russas procederam, em Samara (centro), à primeira destruição de 114 toneladas de carne de porco europeia, numa demonstração da determinação das autoridades.

Na quarta-feira, várias personalidades de diferentes quadrantes políticos manifestaram-se contra a destruição destes produtos, pedindo que fossem distribuídos por pessoas necessitadas.

O líder do Partido Comunista russo Guennadi Ziuganov lamentou "uma medida extrema", enquanto o advogado Evgueni Bobrov, membro do conselho dos direitos humanos no Kremlin, denunciou "uma proposta arbitrária".

Uma petição assinada por mais de 250 mil pessoas no 'site' "Change.org" exige que os alimentos apreendidos sejam dados "aos antigos combatentes, deficientes e famílias numerosas e a todos que tenham sofrido os efeitos de desastres naturais recentes".

O diário russo Vedomosti denunciou, em editorial hoje publicado, uma "barbárie ostensiva" e uma "guerra absurda contra alimentos em período de crise económica".

As autoridades, que acusam países como a Bielorrússia ou o Cazaquistão de fazer entrar em território russo produtos europeus sob embargo como se fossem produtos locais, esperam que alguns casos de destruição cheguem para desencorajar pessoas tentadas a desrespeitar o embargo.

Lusa

  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.