sicnot

Perfil

Economia

Rússia destrói alimentos europeus e norte-americanos sob embargo

A Rússia começou hoje a destruir produtos alimentares europeus e norte-americanos sob embargo, em conformidade com um decreto do Kremlin.

Agricultores franceses distribuem produtos grátis em protesto contra embargo russo.

Agricultores franceses distribuem produtos grátis em protesto contra embargo russo.

© Philippe Wojazer / Reuters

Há cerca de um ano que a Rússia proíbe a importação da maioria dos produtos alimentares dos países que impuseram sanções pelo papel de Moscovo na guerra na Ucrânia, uma decisão que afetou particularmente o setor agrícola europeu.

Estes produtos, que eram até aqui simplesmente devolvidos aos países de origem pelas alfândegas, vão passar a ser destruídos no local pelas autoridades, quer sejam apreendidos na fronteira ou em lojas.

A agência de saúde pública russa Rosselkhoznadzor anunciou esta manhã uma primeira apreensão de 73 toneladas de peixes e nectarinas na fronteira com a Bielorússia, que transitavam com um certificado turco falso e que serão destruídas.

Na terça-feira, as autoridades russas procederam, em Samara (centro), à primeira destruição de 114 toneladas de carne de porco europeia, numa demonstração da determinação das autoridades.

Na quarta-feira, várias personalidades de diferentes quadrantes políticos manifestaram-se contra a destruição destes produtos, pedindo que fossem distribuídos por pessoas necessitadas.

O líder do Partido Comunista russo Guennadi Ziuganov lamentou "uma medida extrema", enquanto o advogado Evgueni Bobrov, membro do conselho dos direitos humanos no Kremlin, denunciou "uma proposta arbitrária".

Uma petição assinada por mais de 250 mil pessoas no 'site' "Change.org" exige que os alimentos apreendidos sejam dados "aos antigos combatentes, deficientes e famílias numerosas e a todos que tenham sofrido os efeitos de desastres naturais recentes".

O diário russo Vedomosti denunciou, em editorial hoje publicado, uma "barbárie ostensiva" e uma "guerra absurda contra alimentos em período de crise económica".

As autoridades, que acusam países como a Bielorrússia ou o Cazaquistão de fazer entrar em território russo produtos europeus sob embargo como se fossem produtos locais, esperam que alguns casos de destruição cheguem para desencorajar pessoas tentadas a desrespeitar o embargo.

Lusa

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.