sicnot

Perfil

Economia

Prazo para propostas finais para compra do Novo Banco termina hoje

O prazo final para a entrega das propostas vinculativas finais de compra do Novo Banco termina hoje às 17:00 e é a última oportunidade para os grupos chineses Anbang e Fosun e a norte-americana Apollo melhorarem as suas ofertas.

(SIC/ ARQUIVO)

O prazo previsto para a entrega das propostas vinculativas era 30 de julho passado, mas o Banco de Portugal, que lidera a operação, comunicou nesse mesmo dia que convidou os potenciais compradores a apresentar as propostas vinculativas revistas até 07 de agosto, uma vez que, conforme previsto no caderno de encargos, na terceira fase, é possível uma extensão para a negociação ou exclusão de potenciais compradores.

"Na sequência de convite dirigido aos três potenciais compradores que apresentaram uma proposta vinculativa no dia 30 de junho passado para que submetessem uma proposta vinculativa revista, o conselho de administração do Banco de Portugal deliberou fixar a data de 07 de agosto para apresentação dessa proposta", referia o comunicado.

Segundo notícias saídas em vários órgãos de comunicação social, os três candidatos à compra do Novo Banco entregaram ofertas de numerário bastante abaixo dos 4.900 milhões de euros que o Fundo de Resolução colocou na instituição após o colapso do Banco Espírito Santo (BES), o que, a confirmar-se, terá encargos adicionais para os bancos que contribuíram para o fundo e para os contribuintes.

Os chineses da Fosun, que compraram ao Estado a Fidelidade, a Anbang, a seguradora chinesa sem atividade em Portugal e o fundo norte-americano Apollo, que recentemente adquiriu ao Novo Banco a seguradora Tranquilidade são os candidatos a um banco que atualmente detém cerca de 18% de quota de mercado.

Há cerca de um ano, o Estado emprestou 4.400 milhões de euros ao Fundo de Resolução proveniente dos dinheiros negociados com a 'troika' (Fundo Monetário Internacional, Comissão Europeia e Banco Central Europeu) para o setor financeiro. O Fundo de Resolução acrescentou mais 500 milhões de euros para injetar na instituição liderada por Stock da Cunha.

A autoridade de supervisão bancária pretende com esta venda minimizar os prejuízos da operação, pois qualquer oferta inferior a 4.900 milhões de euros será de perda para o Fundo de Resolução.

Lusa

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.