sicnot

Perfil

Economia

Grupo Ageas em "negociações exclusivas" para compra da Axa Portugal

O grupo segurador belga Ageas anunciou esta sexta-feira estar em "negociações exclusivas" para comprar por 190,8 milhões de euros a congénere Axa Portugal.

Ainda dependente da aprovação do regulador do mercado, a transação deverá, segundo a Ageas, estar concluída no primeiro semestre de 2016. (Arquivo)

Ainda dependente da aprovação do regulador do mercado, a transação deverá, segundo a Ageas, estar concluída no primeiro semestre de 2016. (Arquivo)

SIC

Em comunicado, a Ageas -- que já detém em Portugal o negócio não vida da Ocidental e tem uma parceria com o BCP para a área vida -- destaca que a concretização do negócio elevaria o grupo da atual 6.ª para a 2.ª posição no 'ranking' das operações não vida em Portugal, com uma quota de mercado de 14,4%.

"Esta aquisição seria um importante marco no desenvolvimento das atividades da Ageas em Portugal e aceleraria uma mudança no 'mix' do negócio com o fortalecimento do ramo não vida, em linha com a estratégia da Ageas para crescer mais nesse segmento e, ao mesmo tempo, permitiria o acesso a uma plataforma direta de vendas na Internet", refere.

Por outro lado, acrescenta, "esta transação fortaleceria a posição da Ageas em Portugal, que é um dos mercados alvo da empresa, especialmente no segmento não vida, e complementaria as atividades da Ageas, alargando o seu raio de ação além do atual foco nos seguros bancários".

Ainda dependente da aprovação do regulador do mercado, a transação deverá, segundo a Ageas, estar concluída no primeiro semestre de 2016.

Lusa

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • Parlamento debate uso de animais no circo: as posições do PCP, Bloco e PAN
    2:03
  • ONU analisa proposta do Egito que visa anular decisão de Trump sobre Jerusalém
    1:27

    Mundo

    O Conselho de Segurança das Nações Unidas está a analisar um projeto de resolução que pretende rejeitar a decisão de Donald Trump de reconhecer Jerusalém como capital oficial de Israel. O projeto de resolução, proposto pelo Egito, deverá ser votado amanhã mas vai, seguramente, contar com o voto contra dos Estados Unidos.