sicnot

Perfil

Economia

Passos discorda do FMI sobre necessidade de medidas adicionais

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, defendeu hoje que o próximo Governo deve prosseguir o "ímpeto reformista", mas discordou do FMI quanto a eventuais medidas adicionais para cumprir a meta do défice prevista pelo atual executivo.

NUNO ANDR\303\211 FERREIRA

"Presumo que o FMI não tenha nenhum prazer em dizer coisas desagradáveis", disse Pedro Passos Coelho aos jornalistas, no concelho de Vouzela, distrito de Viseu, ao realçar que "nem sempre as opiniões" do Fundo Monetário Internacional "são coincidentes" com as do Governo.

No último relatório de acompanhamento da evolução da situação portuguesa, após a intervenção da 'troika' internacional (FMI, Comissão Europeia e Banco Central Europeu), divulgado na quinta-feira, o FMI, entre outras recomendações, alerta que a meta do défice de 2,7%, prevista pelo Governo, dificilmente será conseguida sem medidas adicionais.

"Não vemos razão para sermos tão pessimistas como os números que são apontados pelo FMI", disse o primeiro-ministro, para reiterar que, na ótima do Governo, "não serão necessárias medidas adicionais para o défice este ano fique abaixo dos 3%".

No entanto, admitiu, o FMI "tem razão no essencial" e o Governo que sair das eleições legislativas de 04 de outubro "não pode estar a reverter tudo o que foi feito nestes anos".

O relatório do FMI recomenda ainda alguma cautela na devolução, em 2016, das sobretaxas da receita fiscal deste ano e pede mais reformas ao próximo executivo.

Pedro Passos Coelho ressalvou que os dados em que assenta aquele documento "já estão ultrapassados" e são "piores do que aqueles que verdadeiramente hoje existem" em Portugal.

Sobre o desemprego, a informação tida em conta pelo FMI "já não condiz com os resultados" do momento.

Pedro Passos Coelho realçou que o relatório alude a uma taxa de desemprego "superior a 13%", mas os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) apontam para 11,9% neste momento.

Por outro lado, afirmou, "estamos plenamente convencidos que quer o IVA quer o IRS ficarão acima daquilo que estava estimado" e que "será superada" a meta estabelecida no Orçamento de Estado deste ano para a receita fiscal.

Em 2016, será "devolvido aos contribuintes o que o Estado arrecadar a mais", pois "não temos nenhuma razão para por isso em causa", disse.

"Já estamos a crescer e a criar mais emprego. Não vemos razão para sermos tão pessimistas como os números que são apontados pelo FMI", reiterou o primeiro-ministro.

Questionado pelos jornalistas, em Cambra, concelho de Vouzela, sobre a venda do Novo Banco e, em geral, sobre a resolução do processo BES/GES, Pedro Passos Coelho disse que, tanto num como noutro caso, a economia será afetada, independentemente dos resultados, mas o Estado e os contribuintes "não serão prejudicados".

"Os prejuízos finais" do caso BES/GES "serão para a economia portuguesa", que na sua opinião "tem vindo a reagir bem".

Lusa

  • O percurso dos rendimentos de Ronaldo
    3:43

    Desporto

    O Ministério das Finanças espanhol abriu uma investigação a Cristiano Ronaldo, por eventuais irregularides na declaração dos rendimentos da publicidade. A Gestifute, empresa do agente do avançado do Real Madrid, garante que Ronaldo tem os impostos em dia. A investigação aos documentos extraídos da plataforma informática Football Leaks, liderada pela revista alemã Der Spiegel, e da qual faz parte o jornal Expresso, conseguiu traçar o percurso dos rendimentos do melhor jogador do mundo.

  • Fábio Coentrão investigado por suspeita de delitos fiscais
    3:37

    Desporto

    O Ministério Público de Madrid acusou o defesa português Ricardo Carvalho de evasão fiscal e está a investigar Fábio Coentrão por eventuais delitos fiscais. Além dos dois portugueses a justiça acusou ainda o espanhol Xabi Alonso, o argentino Ángel Di María e investiga o colombiano Falcão. As investigações surgem depois da revelação do caso Football Leaks, investigada pelo Expresso e pelo consórcio europeu de jornalistas que tiveram acesso a milhões de documentos.

  • Mais cinco ilhas dos Açores sob aviso vermelho

    País

    O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) elevou esta quarta-feira para vermelho o aviso para as cinco ilhas do grupo central dos Açores, onde no Faial o vento atingiu os 150 quilómetros por hora.

  • Votações sobre o mapa judiciário geram tensão no Parlamento
    2:01

    País

    O momento das votações no Parlamento ficou marcado por alguma tensão. Depois de aprovadas, em comissão, as alterações ao mapa judiciário, o PSD opôs-se a que o diploma fosse votado em plenário, uma vez que não fazia parte da versão inicial do guião de votações. A esquerda acusou os sociais-democratas de terem motivações estritamente políticas e não regimentais.

  • Uma alternativa aos serviços de enfermagem ao domicílio
    7:34
  • As primeiras palavras de um dos sobreviventes da Chapecoense
    0:29
  • Familiares de vítimas procuram destroços do MH370
    1:48

    Voo MH370

    Um grupo de familiares das vítimas do avião das linhas aéreas da Malásia, desaparecido em 2014, procuram destroços do aparelho em Madagáscar. As autoridades malaias estudam a posssibilidade de uma nova operação de buscas.

  • Primeiro-ministro em lágrimas ao reencontrar refugiado que recebeu no Canadá em 2015

    Mundo

    Justin Trudeau desfez-se em lágrimas no reencontro com um refugiado sírio, que ele recebeu no Canadá em 2015. No ano passado, Trudeau recebeu pessoalmente os refugiados no aeroporto, onde foi visto a entregar casacos de inverno aos migrantes. Esta segunda-feira, o primeiro-ministro conheceu algumas das famílias que se estabeleceram no país, numa reunião filmada pela emissora canadiana CBC.