sicnot

Perfil

Economia

Passos discorda do FMI sobre necessidade de medidas adicionais

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, defendeu hoje que o próximo Governo deve prosseguir o "ímpeto reformista", mas discordou do FMI quanto a eventuais medidas adicionais para cumprir a meta do défice prevista pelo atual executivo.

NUNO ANDR\303\211 FERREIRA

"Presumo que o FMI não tenha nenhum prazer em dizer coisas desagradáveis", disse Pedro Passos Coelho aos jornalistas, no concelho de Vouzela, distrito de Viseu, ao realçar que "nem sempre as opiniões" do Fundo Monetário Internacional "são coincidentes" com as do Governo.

No último relatório de acompanhamento da evolução da situação portuguesa, após a intervenção da 'troika' internacional (FMI, Comissão Europeia e Banco Central Europeu), divulgado na quinta-feira, o FMI, entre outras recomendações, alerta que a meta do défice de 2,7%, prevista pelo Governo, dificilmente será conseguida sem medidas adicionais.

"Não vemos razão para sermos tão pessimistas como os números que são apontados pelo FMI", disse o primeiro-ministro, para reiterar que, na ótima do Governo, "não serão necessárias medidas adicionais para o défice este ano fique abaixo dos 3%".

No entanto, admitiu, o FMI "tem razão no essencial" e o Governo que sair das eleições legislativas de 04 de outubro "não pode estar a reverter tudo o que foi feito nestes anos".

O relatório do FMI recomenda ainda alguma cautela na devolução, em 2016, das sobretaxas da receita fiscal deste ano e pede mais reformas ao próximo executivo.

Pedro Passos Coelho ressalvou que os dados em que assenta aquele documento "já estão ultrapassados" e são "piores do que aqueles que verdadeiramente hoje existem" em Portugal.

Sobre o desemprego, a informação tida em conta pelo FMI "já não condiz com os resultados" do momento.

Pedro Passos Coelho realçou que o relatório alude a uma taxa de desemprego "superior a 13%", mas os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) apontam para 11,9% neste momento.

Por outro lado, afirmou, "estamos plenamente convencidos que quer o IVA quer o IRS ficarão acima daquilo que estava estimado" e que "será superada" a meta estabelecida no Orçamento de Estado deste ano para a receita fiscal.

Em 2016, será "devolvido aos contribuintes o que o Estado arrecadar a mais", pois "não temos nenhuma razão para por isso em causa", disse.

"Já estamos a crescer e a criar mais emprego. Não vemos razão para sermos tão pessimistas como os números que são apontados pelo FMI", reiterou o primeiro-ministro.

Questionado pelos jornalistas, em Cambra, concelho de Vouzela, sobre a venda do Novo Banco e, em geral, sobre a resolução do processo BES/GES, Pedro Passos Coelho disse que, tanto num como noutro caso, a economia será afetada, independentemente dos resultados, mas o Estado e os contribuintes "não serão prejudicados".

"Os prejuízos finais" do caso BES/GES "serão para a economia portuguesa", que na sua opinião "tem vindo a reagir bem".

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.