sicnot

Perfil

Economia

Recessão agrava-se na Rússia com queda de 4,6% do PIB no 2.º trimestre

A recessão na Rússia, provocada pela queda dos preços do petróleo e pelas sanções ocidentais, agravou-se no segundo trimestre, com uma queda de 4,6% do Produto Interno Bruto (PIB), indica uma primeira estimativa oficial divulgada hoje.

© Maxim Shemetov / Reuters

Os números divulgados pelo serviço de estatísticas Rosstat assinalam uma degradação em relação ao primeiro trimestre, quando o PIB registou uma descida de 2,2%, uma má notícia para o governo que tinha previsto uma contração de 4,4% entre abril e junho.

Esta estimativa surge numa altura em que a esperada recuperação económica foi obscurecida pela queda mais recente dos preços do petróleo.

O governo russo e alguns economistas já tinham indicado que o segundo trimestre seria o período mais difícil deste ano para a economia do país, atingida pelos efeitos da crise monetária de finais de 2014.

Nessa altura, o rublo sofreu uma desvalorização acentuada, na sequência da descida dos preços do petróleo e da aplicação de sanções económicas a Moscovo devido à crise ucraniana.

Para o corrente ano, as previsões dos economistas apontam para uma queda do PIB superior a 3%, após um crescimento de 0,6% em 2014.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.