sicnot

Perfil

Economia

FMI considera reforma cambial na China um bom passo para abertura do mercado

O Fundo Monetário Internacional (FMI) saudou hoje a decisão da China de reformar o seu sistema cambial como "um bom passo" para a abertura e flexibilização do mercado de divisas da segunda economia mundial.

© Jason Lee / Reuters

Em comunicado enviado à agência Efe, o FMI afirma que o novo mecanismo para determinar a paridade do yuan anunciado pelo Banco Popular da China -- banco central -- "parece um bom passo", já que "deve permitir que as forças do mercado desempenhem um papel mais importante para determinar a taxa de câmbio".

A instituição financeira dirigida por Christine Lagarde adverte, contudo, que o "exato impacto" vai depender da forma como será aplicado o novo mecanismo.

O FMI assinalou também que uma maior flexibilidade no câmbio é importante para uma China que "se esforça para dar às forças do mercado um papel decisivo na economia e se está a integrar rapidamente nos mercados financeiros globais".

"Acreditamos que a China pode -- e deve -- tratar de conseguir um sistema de câmbio que flutue de forma eficaz entre dois e três anos", indicou o organismo.

Quanto à eventual inclusão do yuan no cabaz de divisas que compõem a SDR [direitos de saque especiais, na sigla em inglês, ou seja, a bolsa de moedas que o Fundo utiliza internamente], a instituição indicou que as medidas anunciadas por Pequim "não têm implicações diretas" nos critérios que usa para esse efeito.

No entanto, acrescentou que uma taxa de câmbio mais determinado pelo mercado "facilitaria" as operações da SDR no caso do yuan ser incluído nesse cabaz.

A China anunciou, esta terça-feira, a desvalorização do yuan em quase dois por cento face ao dólar norte-americano, a maior revisão em baixa do valor da sua moeda em duas décadas, e reformou o sistema cambial para estimular a sua economia -- a segunda maior do mundo --, após a queda do comércio externo.

Neste sentido, o Banco Popular da China anunciou uma renovação do mecanismo de fixação da taxa de câmbio com vista a aproximá-lo do seu real valor de mercado.

A inesperada decisão de Pequim representa, na perspetiva de analistas, um reconhecimento da crescente preocupação das autoridades chinesas relativamente à desaceleração do gigante asiático que vê as previsões situarem o crescimento para 2015 e 2016 abaixo dos 7% ao ano.

Lusa

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espirito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espirito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo e 1/4 acredita que SIDA transmite-se pelos talheres
    1:42
  • Há mais um suspeito do massacre de Las Vegas 
    0:27

    Mundo

    Em outubro passado, Stephen Paddock abriu fogo sobre os espetadores de um concerto de música country, em Las Vegas, matando 58 pessoas e ferindo quase 500, no mais sangrento tiroteio da história norte-americana recente. A novidade é que a polícia federal dos EUA abriu uma investigação sobre um segundo suspeito no tiroteio. A Polícia Metropolitana disse que não há ainda um motivo para o tiroteio mas aponta como uma das possíveis razões o facto de Stephen Paddock ter perdido uma grande quantia de dinheiro. Os investigadores descobriram ainda que o atirador possuía pornografia infantil no seu computador.