sicnot

Perfil

Economia

FMI considera reforma cambial na China um bom passo para abertura do mercado

O Fundo Monetário Internacional (FMI) saudou hoje a decisão da China de reformar o seu sistema cambial como "um bom passo" para a abertura e flexibilização do mercado de divisas da segunda economia mundial.

© Jason Lee / Reuters

Em comunicado enviado à agência Efe, o FMI afirma que o novo mecanismo para determinar a paridade do yuan anunciado pelo Banco Popular da China -- banco central -- "parece um bom passo", já que "deve permitir que as forças do mercado desempenhem um papel mais importante para determinar a taxa de câmbio".

A instituição financeira dirigida por Christine Lagarde adverte, contudo, que o "exato impacto" vai depender da forma como será aplicado o novo mecanismo.

O FMI assinalou também que uma maior flexibilidade no câmbio é importante para uma China que "se esforça para dar às forças do mercado um papel decisivo na economia e se está a integrar rapidamente nos mercados financeiros globais".

"Acreditamos que a China pode -- e deve -- tratar de conseguir um sistema de câmbio que flutue de forma eficaz entre dois e três anos", indicou o organismo.

Quanto à eventual inclusão do yuan no cabaz de divisas que compõem a SDR [direitos de saque especiais, na sigla em inglês, ou seja, a bolsa de moedas que o Fundo utiliza internamente], a instituição indicou que as medidas anunciadas por Pequim "não têm implicações diretas" nos critérios que usa para esse efeito.

No entanto, acrescentou que uma taxa de câmbio mais determinado pelo mercado "facilitaria" as operações da SDR no caso do yuan ser incluído nesse cabaz.

A China anunciou, esta terça-feira, a desvalorização do yuan em quase dois por cento face ao dólar norte-americano, a maior revisão em baixa do valor da sua moeda em duas décadas, e reformou o sistema cambial para estimular a sua economia -- a segunda maior do mundo --, após a queda do comércio externo.

Neste sentido, o Banco Popular da China anunciou uma renovação do mecanismo de fixação da taxa de câmbio com vista a aproximá-lo do seu real valor de mercado.

A inesperada decisão de Pequim representa, na perspetiva de analistas, um reconhecimento da crescente preocupação das autoridades chinesas relativamente à desaceleração do gigante asiático que vê as previsões situarem o crescimento para 2015 e 2016 abaixo dos 7% ao ano.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.