sicnot

Perfil

Economia

Função Pública perdeu quase 21.500 trabalhadores até junho

Mais de sete mil trabalhadores saíram da Função Pública no segundo trimestre deste ano, um valor que sobe para 21.500 no conjunto do primeiro semestre, divulgou hoje a Direção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP).

Segundo a Síntese Estatística do Emprego Público (SIEP), divulgada pela DGAEP, a 30 de junho de 2015, o emprego na administração pública situava-se em 654.600 postos de trabalho, revelando uma quebra global de 1,1% em termos homólogos (7.081 trabalhadores) e de 10% face a 31 de dezembro de 2011 (menos 72.694 postos de trabalho).

Em termos acumulados, e considerando que durante no primeiro trimestre deste ano saíram da Função Pública 14.415 trabalhadores, o que representa uma quebra de 2,2% face ao período homólogo do ano passado, entre janeiro e junho saíram do Estado 21.496 funcionários.

Numa comparação com o final do primeiro trimestre deste ano, o emprego nas administrações públicas diminuiu 2.018 postos de trabalho (0,3%) entre abril e junho, em resultado da quebra do número de trabalhadores da administração central (menos 1.807, correspondente a uma variação de -0,4%).

Esta descida resulta, de acordo com a SIEP, da cessação por caducidade, no último mês de aulas do ano letivo 2014/2015, de contratos a termo de trabalhadores nos estabelecimentos de ensino básico e secundário (técnicos superiores, em particular para atividades de enriquecimento escolar, assistentes técnicos e assistentes operacionais).

Apesar deste decréscimo no número de trabalhadores, houve um aumento de emprego no trimestre em análise, nomeadamente, nos ministérios da Administração Interna (2,5%) e da Defesa (1,2%).

No caso da Administração Interna, esta subida "decorre principalmente de novos contratos a termo de vigilantes da floresta na GNR, para as operações de prevenção de incêndios durante o verão. Por outro lado, novas incorporações de militares não pertencentes ao quadro permanente das Forças Armadas (regimes de contrato e de voluntariado) resultaram ainda num aumento de emprego no Ministério da Defesa Nacional", lê-se na SIEP.

O peso do emprego por subsetores manteve a mesma estrutura do trimestre anterior, representando a administração central cerca de 76% do emprego nas administrações públicas.

Com um peso na população total de 6,3% (rácio de administração), o emprego no setor das administrações públicas representava, a 30 de junho de 2015, cerca de 12,6% da população ativa e de 14,3% da população empregada.

A 30 de junho último, em cada dez trabalhadores das administrações públicas, seis eram mulheres, mantendo a taxa de feminização no setor acima do mesmo indicador para a população ativa.

Na mesma data, as mulheres trabalhadoras nas administrações públicas representavam 15,2% e 17,2% da população ativa e da população empregada do mesmo sexo, destaca o documento.

Quanto ao valor médio mensal das remunerações dos trabalhadores a tempo completo da administração pública este situava-se, em abril 2015, nos 1.402,1 euros, correspondendo a uma variação global média negativa de 0,3% em relação a janeiro de 2015.

Lusa

  • Rui Patrício confirmado no Wolverhampton

    Desporto

    O Wolverhampton anunciou esta segunda-feira a contratação do guarda-redes Rui Patrício, depois da rescisão com o Sporting. O guarda-redes da seleção nacional assinou contrato com o clube inglês por quatro épocas.

    SIC

  • Novo treinador do Sporting diz que mulheres não estão preparadas para falar de futebol
    1:23
  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Merkel tem duas semanas para negociar solução para crise migratória

    Mundo

    A chanceler alemã tem duas semanas para negociar com os parceiros europeus uma solução para a questão migratória e assim evitar uma crise política. O ultimato foi dado pelo CSU, o partido da Baviera que integra a coligação governamental. Ao contrário de Angela Merkel, defende uma política para os refugiados mais estrita.

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC