sicnot

Perfil

Economia

Moody's alerta que França não vai cumprir objetivos orçamentais

A agência Moody's afirmou hoje que tem dúvidas de que o Governo francês consiga cumprir os objetivos orçamentais assumidos, tendo em conta a estagnação económica registada no segundo trimestre, sobretudo devido à queda inesperada do investimento.

© Brendan McDermid / Reuters

Para a agência de notação financeira, a desaceleração da economia de França entre abril e junho dificulta, por um lado, a redução do défice público e, por outro lado, a criação de emprego.

No primeiro semestre deste ano, as receitas fiscais do país caíram 1% face ao mesmo período de 2014, uma queda que se deve em parte às isenções fiscais atribuídas às empresas pelo executivo com o objetivo de melhorar a sua competitividade.

A Moody's recordou, no entanto, que o Governo previu um aumento nominal das receitas fiscais de 1,7% para ao longo deste ano em termos homólogos.

Além disso, a agência de 'rating' sublinhou que a despesa pública francesa caiu apenas 0,3% na primeira metade do ano, sendo que o Governo tinha previsto uma redução da despesa de 1,6% no conjunto do ano.

A Moody's, que prevê que a economia de França cresça 1% este ano e 1,2% em 2016, conclui que, a partir dos elementos disponíveis até agora, o Governo francês não vai cumprir os seus objetivos orçamentais.

A instituição afirmou ainda que a queda de 0,3% do investimento no segundo trimestre é "particularmente surpreendente", tendo em conta que as autoridades francesas estão a realizar uma série de iniciativas concertadas como o objetivo de o impulsionar.

A Comissão Europeia espera que, depois de ter fechado o ano de 2014 com um défice orçamental de 4%, o Governo reduza o défice para os 3,8% este ano e para os 3,5% no próximo, ficando nos dois anos acima do limite de 3% definido pelas regras europeias.

A Moody's atribui a França a nota de Aa1, o segundo nível mais elevado de investimento na escala de 'rating' da agência.

Lusa

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.