sicnot

Perfil

Economia

Grécia alivia medidas de controlo de capitais

O Governo grego alterou as regras do controlo de capitais, em vigor desde 29 de junho, podendo agora os cidadãos transferir até 500 euros por mês para fora do país.

© Christian Hartmann / Reuters


A notícia está a ser avançada pela edição 'online' do jornal helénico Kathimerini que refere que o executivo publicou na segunda-feira à noite sete alterações às restrições impostas sobre a circulação de capitais na Grécia.

De acordo com a legislação, os cidadãos podem agora fazer transferências internacionais de até 500 euros por mês e as famílias com filhos a estudar fora do país podem também enviar até 8.000 euros para cobrir as respetivas despesas de educação (o limite anterior era de 5.000 euros).

Além disso, os gregos já podem abrir contas bancárias, o que também não era possível desde o final de junho, mas apenas para pagar contas ou empréstimos. No entanto, não vai ser possível levantarem dinheiro destas contas.

A 29 de junho foi publicado um decreto que determinou que os bancos da Grécia permaneceriam encerrados até 06 de julho, dia seguinte ao referendo sobre o programa de resgate. No entanto, os bancos só voltaram a abrir a 20 de julho.

Com o encerramento dos bancos e a imposição do controlo de capitais, foi imposto à população como limite máximo diário de levantamento 60 euros por dia, uma medida que não incluiu os turistas ou pessoas com contas no estrangeiro.

Lusa

  • Escritor e filólogo Frederico Lourenço distinguido com o Prémio Pessoa 2016

    Cultura

    O escritor, tradutor, professor universitário Frederico Lourenço foi distinguido com o Prémio Pessoa 2016. O anúncio foi feito hoje pelo presidente do júri, Francisco Pinto Balsemão, no Palácio de Seteais, em Sintra, sublinhando que a atividade de Frederico Lourenço tem como "traço singular" ter oferecido "à língua portuguesa as grandes obras de literatura clássica".

  • Governo garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo de ajuda alimentar
    1:18

    País

    O ministro da Solidariedade e Segurança Social garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo europeu de ajuda alimentar. Vieira da Silva respondeu, esta manhã, à notícia avançada pelo Jornal de Notícias que dava conta de que, este ano, o país teria desperdiçado 28 milhões de euros de um fundo europeu porque o programa ainda não está operacional. O ministro garante que o programa vai ser executado em 2017 e que este ano serviu para tomar medidas no sentido dessa implementação. Vieira da Silva assegura também que o montante disponível para o programa não foi desperdiçado e vai poder ser usado.

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Explosão no Cairo faz seis mortos

    Mundo

    Seis pessoas morreram hoje numa explosão junto a um posto de controlo da polícia no Cairo, indicaram os meios de comunicação social e responsáveis egípcios.