sicnot

Perfil

Economia

IKEA recomenda devolução de luzes de presença por questões de segurança

O grupo sueco de mobiliário e decoração IKEA pediu hoje aos clientes para devolverem as luzes de presença para crianças PATRULL compradas nas suas lojas, por questões de segurança.

O produto já não está à venda atualmente

O produto já não está à venda atualmente

Ikea

Em comunicado, o grupo IKEA pede aos clientes que compraram uma ou várias luzes de presença PATRULL para as entregarem em qualquer loja, sendo depois reembolsados.

A decisão surge na sequência de uma situação de que a IKEA teve conhecimento, a nível global, e que envolveu uma criança de um ano e sete meses.

De acordo com o grupo sueco, a criança estava a brincar com uma luz de presença PATRULL e, ao tentar removê-la da tomada elétrica, a tampa protetora saltou e provocou um choque elétrico, causando ferimentos na mão da criança.

"Sempre que um produto IKEA está envolvido em qualquer tipo de incidente que ponha em causa a segurança e bem-estar das pessoas, principalmente crianças, agimos e é isso que estamos a fazer agora: decidimos retirar imediatamente das nossas lojas as lâmpadas de presença PATRULL e já não estão à venda", avançou o grupo em comunicado.

O IKEA adiantou que as luzes de presença foram submetidas novamente a testes de segurança e estão em conformidade com a legislação e normas dos países onde são comercializadas.

"Na sequência deste incidente submetemos mais de 600 luzes de presença PATRULL a testes de segurança e todas obtiveram parecer positivo. Apesar disso, a IKEA decidiu recolher globalmente o produto para evitar o risco de virem a surgir novos potenciais incidentes", salientou o grupo.

O grupo sueco pede ainda que as devoluções deste artigo devem ser feitas no Balcão de Apoio a Cliente das lojas IKEA, não sendo necessária a apresentação do talão (recibo) de compra.

As luzes de presença PATRULL estiveram à venda na Europa, incluindo Portugal, e América do Norte desde 2013.

Lusa

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.