sicnot

Perfil

Economia

Juros da dívida descem em todos os prazos no dia em que Portugal volta aos mercados

Os juros da dívida portuguesa estavam hoje a descer a dois, cinco e dez anos, no dia em que Portugal regressa aos mercados para colocar até 1.000 milhões de euros de dívida a curto prazo.

Francisco Seco


Cerca das 09:30 em Lisboa, os juros da dívida portuguesa a dois anos estavam a cair para 0,374%, abaixo dos 0,375% da sessão anterior, depois de a 08 de julho terem batido o máximo (0,807%) desde outubro.

O atual mínimo de sempre dos juros a dois anos, de 0,013%, foi atingido a 13 de abril passado.

Os juros no prazo dos cinco anos também caíam para 1,201%, contra 1,233% na terça-feira.

A dez anos, os juros estavam igualmente a descer de 2,484% na terça-feira para 2,454% hoje, depois de terem subido até aos 3,253% a 15 de junho último, um máximo desde meados de outubro de 2014.

O atual mínimo de sempre é de 1,560% e foi registado a 13 de março passado.

Os juros de Espanha, por sua vez, caíam em todos os prazos.

A dois anos, os juros da dívida soberana de Espanha negociavam-se em 0,128%, a cinco anos transacionavam-se a 0,935% e a dez anos situavam-se em 1,980%.

Na Itália, os juros da dívida caíam em todos os prazos, enquanto na Irlanda subiam a dois anos para -0,041%, a cinco caíam para 0,324% e a dez anos subiam para 1,271%.

Portugal regressa hoje aos mercados e pretende encaixar até 1.000 milhões de euros nos leilões de Bilhetes do Tesouro a três e a 11 meses.

A Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) vai realizar esta manhã dois leilões de Bilhetes do Tesouro, um com maturidade em novembro deste ano e outro que vence em julho de 2016, sendo o montante indicativo global entre os 750 e os 1.000 milhões de euros.

Os últimos leilões de Bilhetes do Tesouro nestes prazos realizaram-se em junho, altura em que o Tesouro emitiu 200 milhões de euros na linha a três meses a uma taxa de juro média de 0,044% e emitiu também 550 milhões de euros em títulos a 11 meses com juros de 0,159%.

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.

  • Dirigente derrotado da Gâmbia concorda em ceder poder

    Mundo

    O ex-presidente e candidato derrotado das eleições na Gâmbia, Yahya Jammeh, concordou em ceder o poder ao novo Presidente do país, empossado na quinta-feira, indicou esta sexta-feira um responsável governamental senegalês.