sicnot

Perfil

Economia

Juros da dívida descem em todos os prazos no dia em que Portugal volta aos mercados

Os juros da dívida portuguesa estavam hoje a descer a dois, cinco e dez anos, no dia em que Portugal regressa aos mercados para colocar até 1.000 milhões de euros de dívida a curto prazo.

Francisco Seco


Cerca das 09:30 em Lisboa, os juros da dívida portuguesa a dois anos estavam a cair para 0,374%, abaixo dos 0,375% da sessão anterior, depois de a 08 de julho terem batido o máximo (0,807%) desde outubro.

O atual mínimo de sempre dos juros a dois anos, de 0,013%, foi atingido a 13 de abril passado.

Os juros no prazo dos cinco anos também caíam para 1,201%, contra 1,233% na terça-feira.

A dez anos, os juros estavam igualmente a descer de 2,484% na terça-feira para 2,454% hoje, depois de terem subido até aos 3,253% a 15 de junho último, um máximo desde meados de outubro de 2014.

O atual mínimo de sempre é de 1,560% e foi registado a 13 de março passado.

Os juros de Espanha, por sua vez, caíam em todos os prazos.

A dois anos, os juros da dívida soberana de Espanha negociavam-se em 0,128%, a cinco anos transacionavam-se a 0,935% e a dez anos situavam-se em 1,980%.

Na Itália, os juros da dívida caíam em todos os prazos, enquanto na Irlanda subiam a dois anos para -0,041%, a cinco caíam para 0,324% e a dez anos subiam para 1,271%.

Portugal regressa hoje aos mercados e pretende encaixar até 1.000 milhões de euros nos leilões de Bilhetes do Tesouro a três e a 11 meses.

A Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) vai realizar esta manhã dois leilões de Bilhetes do Tesouro, um com maturidade em novembro deste ano e outro que vence em julho de 2016, sendo o montante indicativo global entre os 750 e os 1.000 milhões de euros.

Os últimos leilões de Bilhetes do Tesouro nestes prazos realizaram-se em junho, altura em que o Tesouro emitiu 200 milhões de euros na linha a três meses a uma taxa de juro média de 0,044% e emitiu também 550 milhões de euros em títulos a 11 meses com juros de 0,159%.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagas as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.