sicnot

Perfil

Economia

Bolsa de Xangai em alta após medidas do banco central

A bolsa de Xangai está hoje a recuperar depois de dois dias consecutivos de pesadas perdas. A saída do vermelho surge depois da descida das taxas de juro por parte do Banco Popular da China. Entretanto, no Japão, o índice Nikkei fechou a subir 3,20%.

© Jason Lee / Reuters

A meio da sessão, o Índice Composite de Xangai subia 23,79 pontos (0,80%), cotando-se nos 2,988.76 pontos, numa manhã volátil em que chegou a perder 3,85% e a valorizar até 1,24%.

O principal indicador da bolsa de Shenzhen, a segunda praça financeira da China, recuava ligeiramente (4,02 pontos ou 0,23%), até aos 1,745.05 pontos.

Depois de ter "afundado" 8,49% - na maior queda em oito anos no volátil mercado de capitais da China - na "segunda-feira negra", a bolsa de Xangai manteve a tendência de forte baixa, tendo encerrado a sessão de terça-feira a perder 7,63%.

Hoje saiu do "vermelho" na abertura beneficiando das medidas anunciadas, esta terça-feira, pelo Banco Popular da China, depois do encerramento dos mercados.

O banco central chinês anunciou uma nova baixa das taxas de juro - pela quinta vez desde novembro último - reduzindo ainda mais os rácios das reservas obrigatórias dos bancos, num aparente esforço para conter a queda das bolsas da segunda maior economia mundial.

A partir de hoje, a taxa de empréstimos a um ano e a taxa de depósitos a um ano vão diminuir em 25 pontos base, reduzindo-se para 4,60% e 1,75%, respetivamente, segundo divulgou a entidade financeira na sua página oficial na Internet.

Em paralelo, o banco central deu conta do corte em 50 pontos base do rácio das reservas mínimas obrigatórias impostas a determinadas instituições financeiras.

Ainda no mesmo dia, o Banco Popular da China fez saber que injetou 150.000 milhões de yuan (cerca de 20,3 mil milhões de euros) para aumentar a liquidez do sistema financeiro do país.

Bolsa de Tóquio fecha a ganhar mais de 3% após seis sessões no "vermelho"

A bolsa de Tóquio encerrou hoje em forte alta, com o principal índice, o Nikkei, a ganhar 579,73 pontos, ou 3,26%, cotando-se nos 18.386,43 pontos, após seis sessões consecutivas no "vermelho".

Também o segundo indicador, o Topix, fechou a valorizar 46,32 pontos, ou 3,23%, até aos 1.478,97 pontos.

Com Lusa

  • Lisboa e praças europeias voltam a subir
    1:21

    Economia

    Depois da pior sessão dos últimos sete anos, a bolsa de Lisboa está hoje a recuperar do impacto da crise na China. Esta manhã subia pouco mais de 4%. Ontem, as cotadas nacionais perderam quase 3 mil milhões de euros.

  • Bolsa chinesa continua em derrocada
    1:23

    Economia

    A bolsa chinesa continua em derrocada depois do segundo dia de perdas significativas. Numa altura em que as autoridades chinesesas tentam de tudo para acalmar a derrocada, a praça de Xangai fechou a cair mais de 7,5%, enquanto no resto do mundo já há sinais de recuperação.

  • O perfil do homicida de Barcelos
    2:42

    País

    Adelino Gomes Briote já tinha sido condenado por ofensas à integridade física da sogra e de uma filha. Em seis meses esta foi a segunda vez que o homem acusado do quádruplo homicídio em Barcelos esteve perante a justiça.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
  • Trump diz que Obamacare vai "colapsar"

    Mundo

    O Presidente norte-americano tentou desvalorizar a derrota política sofrida na sexta-feira no Congresso, ao desistir da revogação da lei de saúde pública do seu antecessor, conhecida como Obamacare, afirmando que esta vai colapsar por si mesma.

  • Milhares nas cerimónias fúnebres de dirigente do Hamas

    Mundo

    Milhares de palestinianos participaram nas cerimónias fúnebres de um dirigente do Hamas, assassinado esta sexta-feira, na Faixa de Gaza. Vários homens armados acompanharam o cortejo fúnebre até à mesquita, onde se fizeram as últimas orações.

  • Guerra na Síria não dá tréguas
    1:51

    Mundo

    Na Síria e ao mesmo tempo que decorrem novas negociações de paz, a guerra não dá tréguas. As imagens mostram o resultados dos últimos raides aéreos nos subúrbios de Damasco. O balanço provisório é de mais de 30 mortos e pelo menos 50 feridos.