sicnot

Perfil

Economia

Liberalização aérea trouxe mais 74 mil passageiros aos Açores

Mais 74 mil passageiros aterraram nos Açores nos primeiros quatro meses de liberalização das ligações aéreas, revelou o secretário de Estado dos Transportes, que garantiu, ainda, estar longe de ser esgotado o orçamento previsto para os subsídios aos residentes.

© Srdjan Zivulovic / Reuters

Segundo disse Sérgio Monteiro na sexta-feira à noite, entre 2010 e 2014, o crescimento médio anual de passageiros que chegavam aos aeroportos açorianos era de 2,9%, mas este ano, em comparação com 2014, esse crescimento está a ser de 20% em média.

"E nalgumas ilhas, naquelas em que temos conectividade direta [voos diretos para o continente] estamos a crescer mais de 40% em termos de número de passageiros e depois todas as outras ilhas beneficiam", acrescentou, durante um jantar com os alunos da Universidade de Verão do PSD/Açores, nas Velas, ilha de São Jorge.

Sérgio Monteiro sublinhou que o aumento de mais 74 mil passageiros em relação a 2014 corresponde ao período entre abril e julho, não englobando ainda agosto, ou seja, trata-se dos primeiros quatro meses de funcionamento do novo modelo de ligações aéreas que levou à entrada das 'low cost' nos Açores.

O secretário de estado revelou, por outro lado, que foi o Governo Regional da Madeira que quis introduzir um limite para os reembolsos para os residentes naquele arquipélago, ao contrário daquilo que aconteceu nos Açores.

"Foi uma precaução adicional do ponto de vista orçamental que a Madeira quis incluir e que os Açores não incluíram e, do meu ponto de vista, bem. Nós respeitamos obviamente as preocupações dos governos regionais e, por isso, aceitámos essa proposta no caso da Madeira", afirmou.

Sérgio Monteiro disse que, no caso dos Açores, os dados de que dispõe indicam que "os montantes de reembolso [de residentes] estão longe de atingir o limite que está previsto".

Mas se, no futuro, esse limite for ultrapassado, "o modelo está pensado" para que esse gasto superior seja suportado, "em primeira linha", por quem mais se beneficia, afirmou.

"Se há mais turistas há mais dinheiro nos Açores, portanto, é justo que haja essa redistribuição do esforço entre os contribuintes nacionais e aquilo que é o orçamento regional. Mas não me parece que esse seja um risco de curto prazo, estamos ainda longe dos valores de reembolso que estão pensados", insistiu.

Sérgio Monteiro disse que o modelo adotado para os Açores está a funcionar bem e considerou que a reforma das ligações aéreas à região "demorou muito tempo".

"Quem me dera tê-la feito em 2012", afirmou, revelando que nesse ano recebeu uma proposta do executivo açoriano, que rejeitou, porque mantinha "tudo como estava".

"Foi uma pena que tivéssemos de esperar tanto tempo. Mas as coisas são o que são, na prática, tivemos de convencer toda a gente que era nosso interlocutor neste processo de que havia uma solução que permitia proteger ao mesmo tempo os açorianos e dar-lhes o benefício do mercado a funcionar", acrescentou.

Sérgio Monteiro disse que, por isso, hoje encontra "alguma graça quando todos se querem juntar à fotografia", que "o ímpeto reformista" foi do Governo nacional e que o presidente do PSD/Açores, Duarte Freitas, não lhe "largou o pé" e o telemóvel, pedindo-lhe para não desistir.

O secretário de Estado disse ainda não saber quando é que as 'low cost' começam a voar também para a Terceira.

"Vamos ver o que é o mercado diz e responde ao repto que os terceirenses têm feito e que o Governo tem acompanhado (...). O que posso dizer é que acompanhamos o assunto com atenção e temos vindo a procurar interessar cada vez mais o mercado a voar para a Terceira", acrescentou.

Lusa

  • Milhares protestam na Catalunha contra Madrid
    1:45

    Mundo

    O Governo de Madrid mostrou-se disposto a dar mais dinheiro e autonomia financeira à Catalunha, se o Governo Regional suspender o referendo independentista. A 10 dias da consulta popular, a tensão é explosiva, com protestos nas ruas, detenções e confrontos com as autoridades.

  • O que separa a Catalunha do resto de Espanha?
    2:12

    Mundo

    Desde 1640, as revoltas catalãs representam a vontade pela distância e pela independência. Numa região que não é reconhecida formalmente como Nação, na Catalunha entende-se e fala-se mais castelhano do que catalão. Mas o que realmente separa a Catalunha do resto de Espanha?

  • Marcelo Rebelo de Sousa avisou que depois das autárquicas viria um novo ciclo. A lógica levou-nos a assumir que estava a falar do PSD, mas hoje, olhando para a situação política, devemos também incluir nessa previsão a “geringonça” e os seus equilíbrios. Não acredito que as coisas mudem até às legislativas, mas as contas só se fazem depois dos votos das autárquicas. Até lá, o tom de voz das esquerdas vai engrossar.

    Bernardo Ferrão

  • #SICnaCampanha

    Autárquicas 2017

    As caravanas estão na estrada e os repórteres da SIC também. Acompanhe aqui os bastidores das autárquicas.

    Live blog

  • PSD não está a lutar "pela sobrevivência" em Lisboa
    3:29

    Autárquicas 2017

    Mais uma volta de norte a sul do país com a campanha dos líderes políticos para as próximas autárquicas. Ainda não acabou a guerra Bloco de Esquerda-CDU. A secretária-geral adjunta do PS bem se esforça, mas não consegue apoio nas ruas como António Costa. Pedro Passos Coelho voltou a aparecer ao lado de Teresa Leal Coelho, mas não quis comentar prováveis resultados na capital.

  • PCP e PS desvalorizam estudo de economistas com alternativa à do Governo
    1:09

    Orçamento do Estado 2018

    Um grupo de economistas, incluindo o deputado independente eleito pelo PS Paulo Trigo Pereira, publicou um estudo em que defende uma proposta alternativa à apresentada pelo Governo. O PCP e o PS desvalorizaram a opinião dos economistas e o Bloco de Esquerda disse que a consolidação orçamental poderia ser mais lenta. Já o PSD e o CDS aplaudem a proposta e defendem que o estudo apresentado é um aviso ao desnorte do Governo. 

  • Complexo Agroindustrial do Cachão abandonado e exposto à poluição
    2:03
  • Família Portugal Ramos
    15:01

    As Famílias Vintage regressaram esta quinta-feira, com uma viagem ao Alentejo. Foi a partir desta região que João Portugal Ramos conquistou um lugar entre os grandes do setor. Desde há 25 anos a vindimar em seu nome, o enólogo produz seis milhões de litros de vinho por ano.

  • Se pedir ao seu cão para ir buscar uma garrafa de vinho ele vai?
    0:49

    País

    Há 25 anos a vindimar no Alentejo, o enólogo João Portugal Ramos produz seis milhões de litros de vinho por ano. Em Estremoz comprou casa e terra. Iniciou a plantação de vinhas próprias e a construção de uma adega. Um espaço que conhece como as palmas da mão. Ele e um amigo muito especial.

  • Presidente das Filipinas pede que matem o filho se estiver envolvido nas drogas

    Mundo

    O Presidente das Filipinas pediu que matassem o seu filho se as acusações de que traficava droga fossem provadas. Rodrigo Duterte destacou ainda que, caso fosse verdade, iria proteger as autoridades que executassem Paolo Duterte. Em causa está a acusação de que o filho do Presidente filipino faria parte da máfia chinesa, que contrabandeia drogas, vindas da China para dentro do país.

    SIC

  • Morreu a mulher mais rica do mundo

    Mundo

    Liliane Bettencourt, herdeira do grupo de cosméticos L'Oréal e a mulher mais rica do mundo, segundo a revista Forbes, morreu na quarta-feira à noite aos 94 anos, anunciou a família.

  • Deputado do Canadá pede desculpa por chamar "Barbie do Clima" a ministra

    Mundo

    O deputado da província de Saskatchewan, no Canadá, chamou na terça-feira a ministra do Ambiente de "Barbie do Clima". Catherine McKenna não gostou de ser apelidada desta forma e acusou Gerry Ritz de ter um comportamento sexista. Após a crítica, foram precisos apenas 20 minutos para o deputado fazer um pedido de desculpas à ministra.

  • Espanhola tenta provar há sete anos que está viva

    Mundo

    Uma mulher de 53 anos está há sete anos a tentar provar que está viva. Segundo o Estado espanhol, Juana Escudero Lezcano morreu a 13 de maio de 2010, mas na realidade quem morreu foi uma mulher com o mesmo nome e data de nascimento.

    SIC