sicnot

Perfil

Economia

Incertezas na China penalizam bolsas europeias que seguem em queda

As bolsas europeias seguem hoje a negociar em terreno negativo, com os investidores centrados na situação da China e na incerteza em relação à reunião da Reserva Federal (Fed) de setembro.

(Reuters/Arquivo)

Pelas 08:20 [hora de Lisboa], o Euro Stoxx 50 cedia 1,42% para 3.223,22 pontos, com as principais praças europeias a oscilarem entre as perdas de 1,81% de Paris e de 0,72% de Milão.

As ações em Madrid recuavam 1,28% e em Frankfurt perdiam 1,67%, à mesma hora. A bolsa de Londres desvalorizava 0,94%.

Já em Lisboa, o índice PSI20 mantinha a tendência de abertura da sessão e seguia a perder 1,65% para 5.158,06 pontos.

Os dados negativos da indústria chinesa estarão a pesar sobre o sentimento dos investidores, reforçando os seus receios em relação à segunda economia mundial.

A bolsa de Xangai abriu hoje em baixa e mantinha as perdas e meio da sessão quando o seu índice geral cedia 1,06% (84,27 pontos), após cair mais de 4% durante a manhã.

Durante a manhã, e após se saber que o índice de produção industrial na China continuou a descer em agosto - para 47,3 pontos, pelo sexto mês consecutivo, acentuando o declínio na produção e novas encomendas feitas à segunda maior economia mundial - , o Índice Composite de Xangai chegou a cair 4%, tendo depois moderado as perdas.

As quedas acentuadas nas bolsas chinesas na semana passada provocaram um efeito "tsunami", que se estendeu aos mercados financeiros globais, e levaram o Banco Central da China a adotar medidas de estímulo monetário e a polícia chinesa a interrogar suspeitos de alegadas operações ilegais na bolsa.

Ainda nos mercados asiáticos, a bolsa de Tóquio encerrou a sessão de hoje em baixa, com o principal índice, o Nikkei, a cair 724,79 pontos, ou 3,84%, cotando-se nos 18.165,69 pontos.

A marcar o comportamento dos mercados na Europa está também a incerteza dos investidores quanto à decisão da Fed, nos Estados Unidos, que poderá decidir aumentar as taxas de juro.

Entretanto, o preço do barril de petróleo Brent, para entrega em outubro, abriu hoje em baixa no Intercontinental Exchange Futures de Londres, a valer 52,73 dólares, menos 2,6% do que no fecho da sessão anterior.

Na segunda-feira, o preço do barril de petróleo Brent encerrou no mercado de futuros de Londres nos 54,15 dólares, um aumento de 4,15 dólares em relação ao fecho da sessão de sexta-feira.

O euro, por sua vez, estava a valorizar na abertura do mercado de divisas de Frankfurt ao transacionar-se a 1,1282 dólares, contra 1,1207 dólares a que se negociou nas últimas horas do dia anterior.

  • Passos nega que resultado das autárquicas ponham em causa liderança do PSD
    7:46
  • PS e PSD trocam acusações sobre Tancos
    1:18
  • Homens vítimas de violência doméstica
    31:17
  • Marcelo mergulha na baía de Luanda
    0:45
  • Marcelo garante que relações com Angola "estão vivas"
    1:50

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou esta segunda-feira as boas relações entre Portugal e Angola. À chegada a Luanda para a posse do novo Presidente angolano João Lourenço, o chefe de Estado português aproveitou para tomar um banho de mar.

  • Défice chegou aos 2.034 milhões em agosto
    1:51

    Economia

    O défice do Estado caiu 1.900 milhões de euros até agosto, em comparação com o ano passado. A recuperação da economia ajudou a baixar o défice, com mais receitas e impostos acima do esperado. Já a despesa pública ficou praticamente inalterada e os pagamentos do Estado em atraso subiram.

  • Morreu a egípcia que chegou a pesar 500 quilos

    Mundo

    A egípcia Eman Ahmed Abd El Aty, de 37 anos, que chegou a pesar 500 quilos, morreu num hospital de Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos, devido a complicações cardíacas na sequência do seu excesso de peso.