sicnot

Perfil

Economia

Incertezas na China penalizam bolsas europeias que seguem em queda

As bolsas europeias seguem hoje a negociar em terreno negativo, com os investidores centrados na situação da China e na incerteza em relação à reunião da Reserva Federal (Fed) de setembro.

(Reuters/Arquivo)

Pelas 08:20 [hora de Lisboa], o Euro Stoxx 50 cedia 1,42% para 3.223,22 pontos, com as principais praças europeias a oscilarem entre as perdas de 1,81% de Paris e de 0,72% de Milão.

As ações em Madrid recuavam 1,28% e em Frankfurt perdiam 1,67%, à mesma hora. A bolsa de Londres desvalorizava 0,94%.

Já em Lisboa, o índice PSI20 mantinha a tendência de abertura da sessão e seguia a perder 1,65% para 5.158,06 pontos.

Os dados negativos da indústria chinesa estarão a pesar sobre o sentimento dos investidores, reforçando os seus receios em relação à segunda economia mundial.

A bolsa de Xangai abriu hoje em baixa e mantinha as perdas e meio da sessão quando o seu índice geral cedia 1,06% (84,27 pontos), após cair mais de 4% durante a manhã.

Durante a manhã, e após se saber que o índice de produção industrial na China continuou a descer em agosto - para 47,3 pontos, pelo sexto mês consecutivo, acentuando o declínio na produção e novas encomendas feitas à segunda maior economia mundial - , o Índice Composite de Xangai chegou a cair 4%, tendo depois moderado as perdas.

As quedas acentuadas nas bolsas chinesas na semana passada provocaram um efeito "tsunami", que se estendeu aos mercados financeiros globais, e levaram o Banco Central da China a adotar medidas de estímulo monetário e a polícia chinesa a interrogar suspeitos de alegadas operações ilegais na bolsa.

Ainda nos mercados asiáticos, a bolsa de Tóquio encerrou a sessão de hoje em baixa, com o principal índice, o Nikkei, a cair 724,79 pontos, ou 3,84%, cotando-se nos 18.165,69 pontos.

A marcar o comportamento dos mercados na Europa está também a incerteza dos investidores quanto à decisão da Fed, nos Estados Unidos, que poderá decidir aumentar as taxas de juro.

Entretanto, o preço do barril de petróleo Brent, para entrega em outubro, abriu hoje em baixa no Intercontinental Exchange Futures de Londres, a valer 52,73 dólares, menos 2,6% do que no fecho da sessão anterior.

Na segunda-feira, o preço do barril de petróleo Brent encerrou no mercado de futuros de Londres nos 54,15 dólares, um aumento de 4,15 dólares em relação ao fecho da sessão de sexta-feira.

O euro, por sua vez, estava a valorizar na abertura do mercado de divisas de Frankfurt ao transacionar-se a 1,1282 dólares, contra 1,1207 dólares a que se negociou nas últimas horas do dia anterior.

  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.